Portal   História   Mitologia   Filosofia   Biblioteca   Login
   
   
   
Cidades Civilização Guerras Mapas Governantes Personalidades Vídeos Filmes Épicos
Prefiro uma gota de sabedoria a toneladas de riqueza... Anaxágoras
Pré, Proto-História Convenção das Datas Idade antiga Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea
Tweeter
20:26h  
Templodeapolo.net > História > Pré, Proto-História > Período Neolítico > Pré, Proto-História > 8500. a.e.c. - A China no período Neolítico

8500 a.e.c. | 4500 a.e.

A China no período Neolítico

Comentários | Referências bibliográficas | Como citar essa página?
Versão para impressão

Maurizio Scarpani

A China é uma das regiões do mundo em que é mais antiga a presença do homem, como comprova o achado de centenas de sítios arqueológicos paleolíticos e depósitos de fósseis. Um grande número de utensílios de pedra e fragmentos de ossos permitiu traçar os passos da evolução desde os primeiros hominídeos descendentes do Australopithecus.

O Homo sapiens surgiu durante a última era glacial, há cerca de 40 mil anos, uma enorme distância cronológica de seus antepassados mais remotos, o Homem de Yuanmu (aproximadamente 1,6-1,7 milhões de anos), o de Lantian (700-600 mil anos) e o Homem de Pequim (500-400 mil anos). Entre o décimo e o nono milênio a.e.c. teve início uma mudança radical em suas condições de vida.

A paulatina melhoria do clima tinha levado ao desaparecimento dos glaciares, à formação de férteis vales fluviais e ao afastamento da linha costeira devido ao forte recuo do mar, criando um ambiente adequado para assentamentos estáveis. Foi quando as comunidades de caçadores- pescadores-coletores, até então nômades, se organizaram em povoados sedentários e começaram a se dedicar a agricultura, a criação de animais domésticos e a fabricação de utensílios de cerâmica, dando início à Revolução Neolítica. Um grande número de sítios comprova o surgimento na China das primeiras culturas, batizadas pelos arqueólogos com os nomes dos locais onde foram feita as principais achadas e classificadas principalmente pela tipologia das cerâmicas. Freqüentemente é difícil reconstruir as relações de precedência entre os diferentes assentamentos e sua seqüência no tempo, tendo coexistido diferenças regionais e elementos comuns, indicando uma rede de intercâmbio e uma continuidade evolutiva.

As diferentes cronologias propostas para as culturas neolíticas, às vezes discordantes, dependem fundamentalmente dos diferentes elementos considerados. Assim, portanto, nessa esfera de interação territorial, a civilização chinesa foi se moldando cultural e geograficamente ao longo do tempo.

A fundação do Império, datada de 221 a.e.c., pode ser considerada a consolidação política um longo e complexo processo de integração que, começando com as primeiras comunidades primitivas, levou ao surgimento de um estilo cultural global.

Os mais antigos sítios neolítícos estão nas províncias meridionais de Fujian, Jiangxi, Guangdong, Guangxi e Guizhou (entre o décimo e o nono milênio a.e.c.), e nas regiões do norte ao longo do rio Liao (8500-7000 a.e.c. cultura Xinglongwa e 7000-5000 a.e.c. cultura Xinle). Numerosos achados confirma a criação de assentamentos, a partir do sexto milênio a.e.c., nas regiões centrais, setentrionais e costeiras. As regiões de maior desenvolvimento correspondem à bacia do rio Amarelo (Huangho) ao de seu afluente Wei, e mais ao sul, ao vale do rio Azul (Yang Tsé Kiang). A agricultura era baseada principalmente no cultivo do milheiro nas áreas setentrionais caracterizadas pelo clima seco e do arroz nas regiões meridionais humidas e chuvosas. As culturas setentrionais que se desenvolveram nas províncias de Henan, Hebei, Shaanxi e Sanxi, recebem os nomes dos sítios de Peiligang e Cishan (5500-4900 a.e.c). De acordo com alguns estudiosos pertenciam a essas culturas assentamentos ainda mais antigos. São característicos os utensílios de pedra feitos com técnicas sofisticadas, cerâmica mais comum de cor avermelhada ou marrom, uma economia baseada na criação de cães e porcos e no cultivo do milhero dos tip Setaria itálica e Panicum miliaceum. Os enxovais funerários encontrados em algumas sepulturas indicam a existência de alguma forma de crença religiosa. Nas mesmas regiões se difundiu posteriormente a cultura Yangshao (5000-3000 a.e.c.), a mais bem documentada e a que melhor conhecemos, com mais de mil sítios  distribuídos por uma área extensa, desde Gan Qinghai até o leste ao longo do vale do Rio Amarelo. Um bom exemplo da organização social Yangs é o povoado de Banpo (4800-3600 a.e.c.), em Shaanxi, construído em uma grande área circular cercada por um fosso profundo cavado como proteção.

A disposição das habitações, das despensas subterrâneas e das áreas para animais sugere a ausência de importantes divisões de classe entre os membros da comunidade. As cabanas, assim como as tumbas da necrópole deviam ser muito parecidas em forma e dimensões, à exceção de um grande prédio situado do centro da área coletiva. Foram encontrados potes, jarros, ânforas, vasos de cerâmica vermelha de várias formas, fabricadas sem utilização de tornos e finalizados em lenta rotação, e decorados com motivos geométricos e representações de rostos humanos, peixes e cervos, que têm marcas semelhantes a uma forma primitiva de escrita. O desenvolvimento da fiação e do tecido é documentado pelo achado de rocas de pedra ou cerâmica e por tramas de tecido que ficaram gravadas no fundo de algumas peças de terracota. Em uma fase posterior, chamada de Miaodigou 13900-3000 a.e.c.), predominou a decoração em faixas de linhas onduladas, freqüentemente agindo em espirais abertas. Nas províncias ocidentais de Gansu e Qinghai, em uma região que abrange parte da Mongólia Interior, se desenvolveram, entre 3300 e 2050 a.e.c., sob a influência da cultura Yangshao, as culturas Banshan e Machang. A partir da cultura Majiayao se desenvolveram, posteriormente, a cultura Qijia (2250-1900 a.e.c.). Em Gansu ocidental, a cultura Huoshaogou (1800-1600 a.e.c.), caracterizadas pela produção de objetos e colares de cobre, bronze, prata e ouro. Em Shandong e em algumas partes de Jiangsu, Anhui, Henan e Liaoning se desenvolveu a cultura Dawenkou (5000-2500 a.e.c.), cujas cerâmicas, feitas em tornos, tinham cores diferentes dependendo da argila utilizada e do processo de cozimento empregado. A riqueza do enxoval funerário de algumas tumbas, nas quais foram encontrados sarcófagos de madeira e dezenas de objetos e colares de pedra, osso e jade, revela a existência de uma sociedade muito estratificada. As culturas orientais de Majiabang (5000-3500 a.e.c.) e Hemudu (5000-3300 a.e.c.), surgidas em Jiangsu e Zhejiang setentrional, tinham uma economia baseada na pesca, criação de cães, porcos e búfalos e no cultivo de diversas plantas aquáticas, das quais a mais importante era o arroz do tipo Oryza sativa, cuja transformação em cultura doméstica poderia remontar, segundo informações mais recentes, ao sétimo milênio a.e.c. Seria, portanto, o mais antigo registro do cultivo desse cereal em todo o mundo. No sítio arqueológico de Hemudu foram encontrados restos de casas construídas sobre palafitas. As peças de terracota da cultura Majabang eram de cor marrom, diferentemente das produzidas em Hemudu, que eram negras. Também ao longo do litoral se desenvolveram as culturas Songze (4000-3600 a.e.c.) e Qingliangang (4800-3600 a.e.c.), herdeiras diretas das tradições de Majabang e Hemudu. Os jades de Qingliangang são os mais antigos já encontrados. Igualmente muito importante por sua produção de jade é a cultura Hongshan (3600-2000 a.e.c.), que derivou da cultura Xinle e se desenvolveu em Liaoning e na Mongólia Interior e em cujo contexto foram encontrados conjuntos religiosos de grande interesse, entre os quais o primeiro templo conhecido. Com a cultura Líangzhu (3300-2200a.e.c.), que também floresceu na costa oriental, em Zhejiang e Jiangsu, houve um extraordinário desenvolvimento da lapidação do jade. O refinamento e a perfeição técnica alcançados comprovam a existência de uma elite com poder político e religioso que dotava as sepulturas de objetos de enorme valor, freqüentemente criados para corresponder a uma determinada simbologia funerária, ainda misteriosa para nós. As primeiras organizações de cidade-estado surgiram nesse período ao longo da costa oriental. Os objetos rituais de jade encontrados em grande abundância, sobretudo em algumas tumbas da cultura Liangzhu, representam as insígnias dos grupos de elite que controlavam a estrutura político-administrativa das cidades-estado, símbolos de sua autoridade e de seu carisma. O cultivo do arroz, a produção de objetos de pedra e de uma cerâmica refinada de cor negra, vermelha ou marrom caracterizam a cultura Daxi (5000-3000 a.e.c.), que floresceu no vale do Yang tsé Kiang, em uma área situada entre Sichuan, Hubei e Hunan. Mais ao sul se desenvolveram as culturas Dapenkeng (5000-2500 a.e.c.) e Shixia (2685- 2480 a.e.c.), sendo esta última especialmente importante pela produção de jades finamente lapidados. A cultura Longshan (3000-2000 a.e.c.), em algumas áreas derivada da Yangshao (Longshan de Shaanxi e Longshan de Henan) e em outras da cultura Dawenkou (Longshan de Shandong), se difundiu ao longo da bacia do Rio Amarelo a partir do terceiro milênio a.e.c. Neste contexto  houve um importante desenvolvimento das técnicas de produção, o que significou a passagem do neolítico para a Idade do Bronze. Surgiu a metalurgia, e o torno permitiu a produção de cerâmicas particularmente refinadas, que, cozidas em fornos com baixo teor de oxigênio, ganhavam uma cor negra uniforme e brilhante.

As cerâmicas, freqüentemente sem decoração, têm uma grande variedade de formas. Alguns exemplares delicados demais para ser utilizados normalmente sugerem uma função puramente ritual. A complexidade das sepulturas mais luxuosas e o achado de ossos de animais utilizados para adivinhação sugerem a existência de uma hierarquia social e de uma classe dominante com autoridade religiosa.

A partir da cultura Longshan se desenvolveram, no segundo milênio a.e.c., as civilizações que se tornaram hegemônicas nas regiões da China central durante a Idade do Bronze.

Referências Bibliográficas
Versão para impressão
As Primeiras Civilizações
Da Idade Da Pedra Aos Povos Semitas
As Primeiras Civilizações - Da Idade Da Pedra Aos Povos Semitas |  |
Páginas
/
Editora
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Czar Nicolau II
História - Rússia
Ficaria conhecido na história como o Czar Libertador, o homem responsável pela libertação dos servos e pela in­trodução de grandes reformas internas. Mas para os pe­quenos e determinados grupos revolucionários russos do final do século XIX, Alexandre II era o símbolo de repressão, cuja morte era necessária para a introdução de uma nova ordem....
Aprendizado emocional nas Escolas
Psicologia - Inteligência Emocional
O tema, por sua própria natureza, exige que professores e alunos se concentrem no tecido emocional da vida da criança — uma concentração decididamente ignorada em quase todas as outras salas de aula dos Estados Unidos. A estratégia aqui inclui o uso das tensões e traumas da vida das crianças como o tema do dia. Os professores falam de problemas reais — a mágoa por ser deixado de fora, inveja, desacordos...
Controle emocional aprendido desde o berço
Psicologia - Inteligência Emocional
O fato é muito chocante. Mas é também mais um indicador, à nossa disposição, para que tomemos consciência da necessidade, urgente, de ensinamentos que objetivem o controle das emoções, as resoluções de desentendimentos de forma pacífica e, enfim, a boa convivência entre as pessoas. Os educadores, há muito preocupados com as notas baixas dos alunos em matemática e leitura, começam a constatar que existe ...
Experiência traumática e o reaprendizado emocional
Psicologia - Inteligência Emocional
Esses momentos vívidos, aterrorizantes, dizem hoje os neurocientistas, tomam-se lembranças impressas nos circuitos emocionais. Os sintomas são na verdade sinais de uma amígdala cortical superestimulada impelindo as vívidas lembranças do momento traumático a continuar invadindo a consciência. Como tal as lembranças traumáticas tornam-se gatilhos sensíveis, prontos para soar o alarme ao menor sinal de que...
A vida camponesa russa - Aristocratas e servos
História - Rússia
ra o ano de 1803 quando, no final de uma tarde quente de agosto, a menina Mar­ta Wilmot chegou a Troitskoe. Enviada na esperança de que este interregno a ajuda­ria a suportar a dor provocada pela morte do seu irmão favorito, não podia estar mais ansiosa para sair da carruagem. Tinha feito uma parada em São Petersburgo, após uma longa viagem, e tinha ouvido alguns comentários desagradáveis acerca da prin...
As influências das emoções na recuperação clínica
Psicologia - Inteligência Emocional
Além do argumento humanitário que convoca os médicos para que dispensem, junto com o tratamento clínico, cuidados que envolvam a saúde emocional do paciente, existem outras razões convincentes o bastante para que esses profissionais considerem a realidade psicológica e social dos pacientes como pertinente à área médica, e não fora dela. Agora há argumentos científicos que demonstram, efetivamente, que h...
Primeira Guerra Mundial - Frente oriental, os russos em Varsóvia e Cárpatos
História - Primeira Guerra Mundial
Nos primeiros meses da guerra, os exércitos da frente oriental, assim como seus congêneres da ocidental, se destacaram especialmente por sua resiliência. Após as vitórias iniciais alemãs na Prússia oriental e a retirada austro-húngara do leste da Galícia, os exércitos adversários continuaram a lutar ao longo de toda a frente; a ação mais sangrenta resultou de quatro contra ofensivas empreendidas pelas P...
Primeira Guerra Mundial - Frente oriental, os russos em Tannenberg e Lemberg
História - Primeira Guerra Mundial
Em função da invasão russa à Prússia oriental, a Alemanha não estava em posição de pressionar as forças austro-húngaras enquanto continuavam esperando a chegada das tropas do B-Staffel. Tivesse contado com as 13 divisões do 2° Exército na frente oriental no começo da campanha, Conrad disporia ao menos de uma superioridade numérica inicial em relação aos russos; em vez disso, em termos de número de tropa...
Primeira Guerra Mundial - A Áustria invade a Sérvia
História - Primeira Guerra Mundial
Dada a magnitude da ação se desenrolando na frente ocidental a partir dos primeiros dias de agosto e o amplo conflito na frente oriental mais para o final do mês, os Bálcãs logo se tornaram a frente esquecida da guerra. Depois que a mobilização russa de 31 de julho forçou o Império Austro-Húngaro a alterar sua disposição de tropas do Plano B (contra a Sérvia) para o Plano R (contra a Rússia), a moviment...
Casamento: Dormindo com o inimigo
Psicologia - Inteligência Emocional
Amar e trabalhar, disse certa vez Sigmund Freud a seu discípulo Erik Erikson, são capacitações correlacionadas que indicam que alcançamos a plena maturi­dade. Se for assim, então a maturidade pode ser considerada uma etapa da vida em vias de extinção — a incidência de divórcios aponta para a necessidade crucial de uma inteligência emocional. Vejamos as estatísticas. A porcentagem anual de divórcios mais...
Primeira Guerra Mundial - Os Alemães invadem a França
História - Primeira Guerra Mundial
Duas semanas e meia se passaram entre a invasão alemã da Bélgica e o primeiro enfrentamento entre esses soldados e o exército francês; contudo, a França estava calamitosamente despreparada para enfrentar os invasores, porque tinha subestimado o número de alemães e calculara mal o lugar onde atravessariam a fronteira. As tropas mobilizadas na frente ocidental alemã incluíam quase 1,5 milhão de homens em ...
Primeira Guerra Mundial: Os alemães invadem a Bélgica
História - Primeira Guerra Mundial
nquanto Schlieffen tinha pressuposto que as tropas alemãs mais ao norte, o 1° Exército, atravessariam os Países Baixos em sua marcha para o oeste, Moltke previu que a Grã-Bretanha talvez respondesse a essa violação do território belga bloqueando a Alemanha e reconheceu que os Países Baixos, neutros, poderiam servir como “o tubo que nos permitirá respirar”. De fato, a Alemanha detinha 50% das exportações...
Viver em sociedade
Psicologia - Inteligência Emocional
Como é comum em crianças de cinco anos que têm irmãos mais novos, Len perdeu a paciência com jay, de dois anos e meio, que desarrumou os blocos de Lego com os quais estavam brincando. Enraivecido, Len morde Jay, que cai no choro. A mãe, ouvindo o grito de dor de jay, acorre e censura Len, ordenando-lhe que guarde o que deu motivo à briga, os blocos de Lego. Diante dessa ordem — que seguramente soa a uma...
O Poder da empatia
Psicologia - Inteligência Emocional
vários deuses e deusas poderosos da Grécia jamais se incluíram entre os Doze Olímpicos. Pã, por exemplo, um tipo humilde, agora morto, contentou-se em viver sobre a terra na Arcádia rural. Hades, Perséfone e Hécate sabiam que sua presença não era bem-vinda no Olimpo. A Mãe Terra, por sua vez, era demasiado velha e apegada a seus hábitos para se adaptar à vida familiar de seus netos e bisnetos....
Primeira Guerra Mundial: A crise de Julho de 1914
História - Primeira Guerra Mundial
De todas as crises internacionais da história, nenhuma foi alvo de um escrutínio mais meticuloso ou de um maior número de análises acadêmicas do que a Crise de Julho de 1914, que começou com o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando em Sarajevo, em 28 de junho, e culminou em uma troca de declarações de guerra entre as grandes potências a partir de 1° de agosto. Assim que o conflito teve início, o...
Os prejuízos da ansiedade nos processos de aprendizado
Psicologia - Inteligência Emocional
A capacidade de manter o autocontrole, de suportar o turbilhão emocional que o acaso nos impõe e de não se tornar um “escravo da paixão”, tem sido considerada, desde Platão, como uma virtude. Na Grécia clássica, esse atributo era denominado sophrosyne, “precaução e inteligência na condução da própria vida; equilíbrio e sabedoria”, como interpreta Page DuBois, um estudioso do idioma grego. Para os romano...
Antecedentes da Primeira Guerra Mundial
História - Primeira Guerra Mundial
Havia a Alsácia-Lorena: caso se iniciasse uma guerra entre Alemanha e França, esta só aceitaria a paz se a Alsácia-Lorena fosse devolvida [...] [e] a Alemanha jamais admitiria a perda das províncias. Havia a rivalidade naval anglo-germânica: declarada a guerra, a Grã-Bretanha não aceitaria a paz, a menos que a ameaça de uma marinha alemã poderosa fosse permanentemente extirpada. Havia Constantinopla: de...
Escravos da paixão
Psicologia - Inteligência Emocional
capacidade de manter o autocontrole, de suportar o turbilhão emocional que o acaso nos impõe e de não se tornar um “escravo da paixão”, tem sido considerada, desde Platão, como uma virtude. Na Grécia clássica, esse atributo era denominado sophrosyne, “precaução e inteligência na condução da própria vida; equilíbrio e sabedoria”, como interpreta Page DuBois, um estudioso do idioma grego. Para os romanos...
Autoconsciência e o controle das emoções
Psicologia - Inteligência Emocional
À primeira vista, pode parecer que nossos sentimentos são óbvios; uma reflexão mais demorada nos lembra das vezes em que fomos muito indiferentes ao que de fato sentimos sobre uma coisa, ou quando tarde demais nos demos conta desses sentimentos. Os psicólogos falam de metacogniçâo — um termo um pouco pesado — para referirem-se à consciência do processo de pensar, e no estado de espírito para a consciênc...
Jung, Adler e os outros dissidentes da Psicanálise
Psicologia - Psicanálise
O menino solitário viu os dois gatinhos perdidos e os pegou nos braços. Precisava algo para amar, algo para sentir perto. Ele os trouxe para casa, mas assim que sua mãe viu as criaturas, ela os agarrou e os jogou contra a parede, de cabeça, até que morressem. Isso era típico de seu comportamento desequilibrado. Ele devia saber que ela faria algo parecido....

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>