Portal   História   Mitologia   Filosofia   Biblioteca   Login
   
   
   
Cidades Civilização Guerras Mapas Governantes Personalidades Vídeos Filmes Épicos
O movimento se processa através de contrários... Heráclito
Pré, Proto-História Convenção das Datas Idade antiga Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea
Tweeter
07:39h  
Introdução Fontes Administração Agricultura Artes Ciências
Cotidiano Direito Economia Educação Esportes Família
Filosofia Força Militar Geografia Lazer Política Religião
Economia Persa
Economia
Civilização Persa - Idade Antiga - Antiguidade Oriental
Comentários | Referências bibliográficas | Como citar essa página?
Versão para impressão

Período Aquemênida | Período Parta | Período Sassânida

 

Período Aquemênida

A economia do império Persa era próspera e saudável. As províncias eram administradas de forma razoável, mediante a combinação de normas gerais com práticas locais. Havia um sistema legal uniforme, que antecipava o conceito romano de uma lei universal, e que incorporava os costumes de cada lugar. As atividades econômicas eram beneficiadas por uma rede de estradas e rotas marítimas, um sistema equilibrado de tributação, um influxo significativo de ouro e um sistema monetário bimetálico que Creso introduzira inicialmente na Lídia. Os salários eram pagos originalmente em produtos - carne, cevada, trigo, vinho - e mais tarde em dinheiro. Em menos de meio século o dinheiro substituiu quase inteiramente os pagamentos em bens.

Em todo o país foram construídos canais, estradas e ganats (canais subterrâneos) para a irrigação das regiões áridas do país. Uma politica agrícola racional, destinada a melhorar o bem-estar do povo, possibilitava a aclimatação de muitas sementes e mudas de árvores, plantas, cereais e animais domésticos trazidos de diferentes partes do império. As florestas eram também usadas de forma racional, e em todo o império os minérios eram explorados extensamente.

A produção agrícola estava centralizada em grandes propriedades. Além de prisioneiros de guerra, o trabalho era executado por servos vinculados a terra, sendo com ela comprados e vendidos. Havia também pequenas propriedades, de importância relativamente pequena. Sobretudo em Fars, a terra de origem dos persas, onde nos primeiros anos do Império não havia imposição de tributos, os camponeses eram proprietários das terras que trabalhavam.

Havia uma abundância de manufaturas. Têxteis, artefatos de madeira, de bronze, objetos preciosos de metal, jóias e cosméticos eram produzidos por servos, nas grandes propriedades rurais, e nas cidades por artesãos livres. O império promovia o desenvolvimento econômico abrindo oportunidades para o comércio com outros países e entre as províncias. Navegadores gregos, fenícios e árabes intercambiavam ativamente mercadorias procedentes da Índia, do golfo Pérsico, da Babilônia e do Egito. Os persas reativaram as atividades bancárias, que na Mesopotâmia tinham existido desde o segundo milênio a.e.c., sofrendo contudo um retrocesso devido aos invasores do princípio da Idade do Ferro. Os bancos faziam empréstimos, aceitavam depósitos, arranjavam investimentos e penhores. Mantinham contas correntes, com dinheiro que podia ser retirado mediante uma espécie de cheque.

Durante o período aquemênida houve uma primeira tentativa de organizar uma economia em escala nacional. Os impostos eram recolhidos por intermédio das satrapias, proporcionando recursos para custear os tribunais, o exército, as obras públicas e a administração do Estado. No coração do Império, os templos e as grandes propriedades continuavam a ser o centro da vida econômica. O Estado procurava proteger os trabalhadores regulamentando os salários, como revelam as tábuas elamitas de Persépolis. Valores monetários eram atribuídos aos bens mais comuns de modo que, mesmo se o seu pagamento fosse feito em produtos, o preço seria o mesmo. O departamento imperial de obras públicas empregava trabalhadores vindos de todas as partes do império e até mesmo de outros países.

Uma das principais atribuições dos sátrapas era a arrecadação de impostos. Estes eram taxados de acordo com as possibilidades das satrapias e podiam ser pagos quer em metal precioso quer in natura. Anualmente era enviado para Susa uma soma fabulosa, parte da qual era entesourada, o que impedia naturalmente que tais riquezas se tomassem produtivas. Tal fato explica que Alexandre pudesse encontrar somas espantosas conservadas no tesouro dos reis persas.

Para facilitar as transações comerciais, Dario, a exemplo do que era feito na Lídia, fez com que se cunhassem moedas de ouro, os famosos "dáricos", nos quais os Aquemênidas são representados na atitude de um arqueiro, com um joelho em terra.

O comércio era praticado, em sua maior parte, por estrangeiros (babilônios, fenícios & judeus), pois os persas davam preferência às atividades agrícolas. Como não existisse praticamente indústria entre os persas, o comércio devia suprir as necessidades da população. Através das estradas passavam as caravanas de comerciantes. Susa era um centro comercial importante para onde convergiam as riquezas do Ocidente e do longínquo Oriente. De Susa a Sardes uma caravana levava noventa dias, mas Os correios reais percorriam o mesmo trajeto em apenas uma semana.

No distante Pendjab, Dario procurou restaurar a vida econômica. Enviou o grego Scyllax com a finalidade de descobrir em que mar desembocava o Indus. Na foz desse rio fundou um porto e o mesmo Scyllax foi encarregado de conduzir uma frota do Golfo Pérsico ate o Mar Vermelho. Após trinta meses de navegação, o almirante grego chegou ao termo de sua viagem. Tal empreendimento levou Dario a ordenar que se completasse ou que se reabrisse o canal que ligava o Nilo ao Mar Vermelho, permitindo a passagem das embarcações do Mediterrâneo para o Mar Vermelho e daí a continuação da viagem ate a Índia ou mais além. Pirenne assim comenta as consequências desse ato de Dario: Doravante a Mesopotâmia não seria mais a grande via do Ocidente para as Índias. O mar iria destronar a terra. O Egito iria ser chamado a desempenhar o papel que tinha dado, até então, sua imensa prosperidade a Babilônia. A sorte do Egito estava fixada: tornava-se o ponto de junção do Ocidente e do Oriente. Dois séculos seriam suficientes para realizar esta profunda revolução na vida econômica do mundo; devia ter como consequências a decadência da Mesopotâmia e o advento do Império Romano.

---------------

 

Período Parta

Os partas mantiveram o ativo sistema comercial do Irã. Suas boas estradas eram bem mantidas, soldados protegiam as caravanas e o intercâmbio comercial era estimulado - tanto o comércio local como aquele entre o Ocidente e o Oriente. Por exemplo: a cavalaria parta usava armas feitas de aço fabricado na China.

A agricultura persa era dominada pelas grandes propriedades da nobreza. Para todos os fins os camponeses perdiam sua liberdade, pois o país estava dividido entre terras estatais e grandes propriedades. Durante o período helenista declinou o progresso nas ciências agrícolas, mas houve um desenvolvimento da criação de animais domésticos. Nas cidades, costumes liberais facilitavam as condições dos escravos; gregos e iranianos continuaram a misturar-se - uma politica iniciada por Alexandre. As classes sociais se distinguiam pelos seus recursos, e o grego era a língua civilizada por excelência.

Roma e os partas sustentaram o seu conflito tradicional - os romanos pressionando na direção do leste, os partas no sentido contrário. A fronteira era o rio Eufrates, e o Irã foi vitorioso depois de uma longa luta, e de vários ataques pelos nômades setentrionais. A capacidade de resistência a Roma e aos nômades desenvolveu um novo espirito nacional que, mais tarde, seria desenvolvido com os sassânidas. Foi esse espirito que protegeu o mundo civilizado da Ásia Ocidental dos bárbaros vindos do norte.

---------------

 

Período Sassânida

A Pérsia sassânida tinha uma estrutura social rígida, com o rei no topo e três camadas de aristocracia. A primeira era a dos vassalos, príncipes de importância variada que mantinham seus tronos em troca do reconhecimento da autoridade central do monarca. Esse estrato incluía também os príncipes de sangue real, incumbidos pelo soberano de governar as maiores províncias. Os principados locais declinaram gradualmente, embora representassem a defesa externa do Império.

Uma segunda camada da aristocracia era composta pelos chefes das sete grandes famílias, numero que se manteve ao longo dos séculos desde a época dos aquemênidas. Esta era uma fonte de conflito continuo entre o poder central e os senhores feudais. Suas províncias deviam pagar tributos a esses aristocratas, além dos pagos ao rei, e estavam obrigadas a ceder seus próprios soldados para a defesa da Coroa.

A pequena nobreza, que incluía os ministros e outras altas autoridades, formava o terceiro nível da aristocracia: uma classe em crescimento que representava um contrapeso em relação aos senhores feudais. Abaixo estavam os "homens livres", a nobreza que detinha pequena propriedade e os chefes das aldeias, que proporcionavam um vínculo entre os camponeses e os funcionários imperiais. Abaixo da aristocracia, ou talvez em paralelo, figurava a instituição religiosa, com uma hierarquia própria.

No nível mais baixo da sociedade estavam os camponeses e artesãos, que formavam a grande massa da população, e embora livres de jure eram de facto servos da terra. O Irã dos sassânidas era uma sociedade agrícola, onde a terra era cultivada por servos, sob o controle do Estado e dos estratos superiores da nobreza. Havia também um comércio bastante ativo, em que a seda chinesa, reexportada para o Ocidente, figurava como o produto mais valioso.

Os iranianos desenvolveram práticas bancárias, usando extensamente o equivalente das letras de câmbio. Iranianos e judeus operavam uma rede de bancos que apoiava o importante comércio internacional, favorecido pelo Estado e que lhe proporcionava uma renda importante. Era o Estado que mantinha e policiava as estradas, com estações de repouso e abrigos para caravanas, fornecimento de água e construção de canais. Havia alguns monopólios, e o mais importante era o da seda crua adquirida na China, e tecida também na Síria e em Bizâncio; os sassânidas criaram uma indústria rival no seu território, com oficinas em Susa, Gundeshapur e Shushtar.

Referências Bibliográficas

BRAUDEL Fernand Les Memoires de la Mediterranée: Ed. Fallois Paris, 1998;

COOGAN M. D., ed. Oxford History of the Biblical World: New York, Oxford University Press, 1998;

RORTY Richard Truth and Progress - Philosophical Papers: Cambridge University Press, 1990.

Versão para impressão
Como citar essa página?    
 
 
   
Introdução Fontes Administração Agricultura Artes Ciências
Cotidiano Direito Economia Educação Esportes Família
Filosofia Força Militar Geografia Lazer Política Religião
Fogo Persa
O Primeiro império mundial e a batalha pelo ocidente
Fogo Persa - O Primeiro império mundial e a batalha pelo ocidente | 2008 |
Tom Holland
488 Páginas
2008 /
Editora Record
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
História da Suméria
História da Suméria -  | 2009 |
Fernando Pinto Pessoa
292 Páginas
2009 /
Editora LivroRápido
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
História da Antiguidade Oriental
História da Antiguidade Oriental -  | 1969 |
Mário Giordani Curtis
362 Páginas
1969 /
Editora Vozes
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
As Religiões Que o Mundo Esqueceu
As Religiões Que o Mundo Esqueceu -  | 2008 |
Pedro Paulo Funari
216 Páginas
2008 /
Editora Editoracontexto
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Um Estudo Crítico da História Vol. I
Um Estudo Crítico da História Vol. I -  | 2001 |
Hélio Jaguaribe
682 Páginas
2001 /
Editora Paz e Terra
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
O que é a emoção?
Psicologia - Inteligência Emocional
Uma palavra sobre o que quero dizer sob a rubrica emoção, termo cujo significado preciso psicólogos e filósofos discutem há mais de um século. Em seu sentido mais literal, o Oxford English Dictionary define emoção como “qualquer agitação ou perturbação da mente, sentimento, paixão; qualquer estado mental veemente ou excitado”. Eu entendo que emoção se refere a um sentimento e seus pensamentos distintos,...
Testemunhas da Primeira Guerra Mundial
História - Primeira Guerra Mundial
Esmee Sartorious trabalhou como enfermeira durante toda a guerra, primeiro na Bélgica, depois em hospitais na frente britânica e, por fim, na Itália. Antes de voltar para casa por meio da neutra Holanda, em agosto de 1914 ela viu de perto o início da ocupação alemã na Bélgica: Como tantas outras, quando a guerra foi declarada, eu me apresentei imediatamente à organização St. John’s Ambulance, a fim de s...
Czar Nicolau II
História - Rússia
Ficaria conhecido na história como o Czar Libertador, o homem responsável pela libertação dos servos e pela in­trodução de grandes reformas internas. Mas para os pe­quenos e determinados grupos revolucionários russos do final do século XIX, Alexandre II era o símbolo de repressão, cuja morte era necessária para a introdução de uma nova ordem....
Aprendizado emocional nas Escolas
Psicologia - Inteligência Emocional
O tema, por sua própria natureza, exige que professores e alunos se concentrem no tecido emocional da vida da criança — uma concentração decididamente ignorada em quase todas as outras salas de aula dos Estados Unidos. A estratégia aqui inclui o uso das tensões e traumas da vida das crianças como o tema do dia. Os professores falam de problemas reais — a mágoa por ser deixado de fora, inveja, desacordos...
Controle emocional aprendido desde o berço
Psicologia - Inteligência Emocional
O fato é muito chocante. Mas é também mais um indicador, à nossa disposição, para que tomemos consciência da necessidade, urgente, de ensinamentos que objetivem o controle das emoções, as resoluções de desentendimentos de forma pacífica e, enfim, a boa convivência entre as pessoas. Os educadores, há muito preocupados com as notas baixas dos alunos em matemática e leitura, começam a constatar que existe ...
Experiência traumática e o reaprendizado emocional
Psicologia - Inteligência Emocional
Esses momentos vívidos, aterrorizantes, dizem hoje os neurocientistas, tomam-se lembranças impressas nos circuitos emocionais. Os sintomas são na verdade sinais de uma amígdala cortical superestimulada impelindo as vívidas lembranças do momento traumático a continuar invadindo a consciência. Como tal as lembranças traumáticas tornam-se gatilhos sensíveis, prontos para soar o alarme ao menor sinal de que...
A vida camponesa russa - Aristocratas e servos
História - Rússia
ra o ano de 1803 quando, no final de uma tarde quente de agosto, a menina Mar­ta Wilmot chegou a Troitskoe. Enviada na esperança de que este interregno a ajuda­ria a suportar a dor provocada pela morte do seu irmão favorito, não podia estar mais ansiosa para sair da carruagem. Tinha feito uma parada em São Petersburgo, após uma longa viagem, e tinha ouvido alguns comentários desagradáveis acerca da prin...
As influências das emoções na recuperação clínica
Psicologia - Inteligência Emocional
Além do argumento humanitário que convoca os médicos para que dispensem, junto com o tratamento clínico, cuidados que envolvam a saúde emocional do paciente, existem outras razões convincentes o bastante para que esses profissionais considerem a realidade psicológica e social dos pacientes como pertinente à área médica, e não fora dela. Agora há argumentos científicos que demonstram, efetivamente, que h...
Primeira Guerra Mundial - Frente oriental, os russos em Varsóvia e Cárpatos
História - Primeira Guerra Mundial
Nos primeiros meses da guerra, os exércitos da frente oriental, assim como seus congêneres da ocidental, se destacaram especialmente por sua resiliência. Após as vitórias iniciais alemãs na Prússia oriental e a retirada austro-húngara do leste da Galícia, os exércitos adversários continuaram a lutar ao longo de toda a frente; a ação mais sangrenta resultou de quatro contra ofensivas empreendidas pelas P...
Primeira Guerra Mundial - Frente oriental, os russos em Tannenberg e Lemberg
História - Primeira Guerra Mundial
Em função da invasão russa à Prússia oriental, a Alemanha não estava em posição de pressionar as forças austro-húngaras enquanto continuavam esperando a chegada das tropas do B-Staffel. Tivesse contado com as 13 divisões do 2° Exército na frente oriental no começo da campanha, Conrad disporia ao menos de uma superioridade numérica inicial em relação aos russos; em vez disso, em termos de número de tropa...
Primeira Guerra Mundial - A Áustria invade a Sérvia
História - Primeira Guerra Mundial
Dada a magnitude da ação se desenrolando na frente ocidental a partir dos primeiros dias de agosto e o amplo conflito na frente oriental mais para o final do mês, os Bálcãs logo se tornaram a frente esquecida da guerra. Depois que a mobilização russa de 31 de julho forçou o Império Austro-Húngaro a alterar sua disposição de tropas do Plano B (contra a Sérvia) para o Plano R (contra a Rússia), a moviment...
Casamento: Dormindo com o inimigo
Psicologia - Inteligência Emocional
Amar e trabalhar, disse certa vez Sigmund Freud a seu discípulo Erik Erikson, são capacitações correlacionadas que indicam que alcançamos a plena maturi­dade. Se for assim, então a maturidade pode ser considerada uma etapa da vida em vias de extinção — a incidência de divórcios aponta para a necessidade crucial de uma inteligência emocional. Vejamos as estatísticas. A porcentagem anual de divórcios mais...
Primeira Guerra Mundial - Os Alemães invadem a França
História - Primeira Guerra Mundial
Duas semanas e meia se passaram entre a invasão alemã da Bélgica e o primeiro enfrentamento entre esses soldados e o exército francês; contudo, a França estava calamitosamente despreparada para enfrentar os invasores, porque tinha subestimado o número de alemães e calculara mal o lugar onde atravessariam a fronteira. As tropas mobilizadas na frente ocidental alemã incluíam quase 1,5 milhão de homens em ...
Primeira Guerra Mundial: Os alemães invadem a Bélgica
História - Primeira Guerra Mundial
nquanto Schlieffen tinha pressuposto que as tropas alemãs mais ao norte, o 1° Exército, atravessariam os Países Baixos em sua marcha para o oeste, Moltke previu que a Grã-Bretanha talvez respondesse a essa violação do território belga bloqueando a Alemanha e reconheceu que os Países Baixos, neutros, poderiam servir como “o tubo que nos permitirá respirar”. De fato, a Alemanha detinha 50% das exportações...
Viver em sociedade
Psicologia - Inteligência Emocional
Como é comum em crianças de cinco anos que têm irmãos mais novos, Len perdeu a paciência com jay, de dois anos e meio, que desarrumou os blocos de Lego com os quais estavam brincando. Enraivecido, Len morde Jay, que cai no choro. A mãe, ouvindo o grito de dor de jay, acorre e censura Len, ordenando-lhe que guarde o que deu motivo à briga, os blocos de Lego. Diante dessa ordem — que seguramente soa a uma...
O Poder da empatia
Psicologia - Inteligência Emocional
vários deuses e deusas poderosos da Grécia jamais se incluíram entre os Doze Olímpicos. Pã, por exemplo, um tipo humilde, agora morto, contentou-se em viver sobre a terra na Arcádia rural. Hades, Perséfone e Hécate sabiam que sua presença não era bem-vinda no Olimpo. A Mãe Terra, por sua vez, era demasiado velha e apegada a seus hábitos para se adaptar à vida familiar de seus netos e bisnetos....
Primeira Guerra Mundial: A crise de Julho de 1914
História - Primeira Guerra Mundial
De todas as crises internacionais da história, nenhuma foi alvo de um escrutínio mais meticuloso ou de um maior número de análises acadêmicas do que a Crise de Julho de 1914, que começou com o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando em Sarajevo, em 28 de junho, e culminou em uma troca de declarações de guerra entre as grandes potências a partir de 1° de agosto. Assim que o conflito teve início, o...
Os prejuízos da ansiedade nos processos de aprendizado
Psicologia - Inteligência Emocional
A capacidade de manter o autocontrole, de suportar o turbilhão emocional que o acaso nos impõe e de não se tornar um “escravo da paixão”, tem sido considerada, desde Platão, como uma virtude. Na Grécia clássica, esse atributo era denominado sophrosyne, “precaução e inteligência na condução da própria vida; equilíbrio e sabedoria”, como interpreta Page DuBois, um estudioso do idioma grego. Para os romano...
Antecedentes da Primeira Guerra Mundial
História - Primeira Guerra Mundial
Havia a Alsácia-Lorena: caso se iniciasse uma guerra entre Alemanha e França, esta só aceitaria a paz se a Alsácia-Lorena fosse devolvida [...] [e] a Alemanha jamais admitiria a perda das províncias. Havia a rivalidade naval anglo-germânica: declarada a guerra, a Grã-Bretanha não aceitaria a paz, a menos que a ameaça de uma marinha alemã poderosa fosse permanentemente extirpada. Havia Constantinopla: de...
Escravos da paixão
Psicologia - Inteligência Emocional
capacidade de manter o autocontrole, de suportar o turbilhão emocional que o acaso nos impõe e de não se tornar um “escravo da paixão”, tem sido considerada, desde Platão, como uma virtude. Na Grécia clássica, esse atributo era denominado sophrosyne, “precaução e inteligência na condução da própria vida; equilíbrio e sabedoria”, como interpreta Page DuBois, um estudioso do idioma grego. Para os romanos...