Psicologia
Mitologia
Geologia
Filosofia
Astronomia
Antropologia
Pré, Proto-História (246mil a.e.c.)
Idade Antiga (4000 a.e.c. - 476 d.e.c.)
Idade Média (476 - 1453 d.e.c.)
Idade Moderna (1453 - 1789 d.e.c.)
Idade Contemporânea (1789 - 1946 d.e.c.)
Era da Informação (1946 - Presente)
Artes
Geografia
Língua
Religião
Sociedade
Alt 1
Religião Fenícia

 

LINK CURTO:
http://www.historia.templodeapolo.net/civilizacao_ver.asp?Cod_conteudo=79&value=Religião Fenícia&civ=Civilização Fenícia&topico=Religião#topo
Civilização Fenícia - Idade Antiga - Antiguidade Oriental
Este texto não é de propriedade do editor do sítio. < Clique para solicitar referências e autoria >

Fontes | Religião fenícia segundo os textos de Ras Shamra | Religião fenícia na Baixa Época | O Culto | A vida além túmulo

Fontes

Existe tuna tríplice fonte para o estudo da religião fenícia: o A.T., os autores antigos gregos e latinos, e as descobertas arqueológicas.

A.T. Através das páginas candentes do A.T. a religião fenícia aparece-nos condenada pelo Monoteísmo hebraico por causa de sua abominável idolatria. Quem não conhece, só para citar um exemplo, o dramático e vitorioso desafio do profeta Elias aos sacerdotes de Baal introduzidos por Jezabel, a princesa de Tiro?

Autores antigos - Uma das principais obras antigas citadas no estudo da religião fenícia é o trabalho de Filon, escritor grego nascido na Fenícia pelo ano 42 da era cristã. Filon traduziu as obras de um sacerdote fenício do século XI a.e.c.. chamado Sanchoniathon. Infelizmente FIlon só nos é conhecido através de fragmentos citados por diversos autores entre os quais figura Eusébio, a pai da História Eclesiástica.

Escavações arqueológicas - Os textos de Ras Shamra constituem, naturalmente, as principais fontes arqueológicas. Com efeito, as escavações realizadas na antiga Ugarit ampliaram muito nossos conhecimentos sobre as idéias religiosas dos fenícios. (Os textos de Ras Shamra nos fazem conhecer a religião fenícia arcaica, pois, se a redação das tabuinhas remonta a segunda metade do século XV, seu conteúdo encerra mitos e lendas extremamente antigos, por mais modificados que tenham sido através dos séculos. E esta religião parece nitidamente do tipo asiânico pela parte preponderante que dá aos ritos agrários e às divindades da essência de par de fertilidade e de fecundidade.

Um estudo, mesmo sumário, da religião fenícia deve distinguir duas épocas diferentes: a primeira, que nos é descrita pelas tabuinhas de Ras Shamra, remonta ao II milênio a.e.c.; a segunda é a chamada baixa-época e mostra-nos a religião fenícia já sob a influência grega.

---------------

 

A religião fenícia segundo os textos do Ras Shamra

Vamos citar, a título de exemplo, alguns deuses do panteão fenício tal qual o encontramos nos textos da antiga Ugarit. No cimo do panteão está o deus El-Dagon que possui as atribuições de presidir o curso dos rios e anunciar as chuvas. Em segundo lugar, temos o deus Baal; esse nome, que significa mestre, senhor, designa, nos textos de Ras Shamra, um deus determinado que equivale ao Adad dos mesopotâmicos (Hadad dos sírios). É o deus das alturas, da tempestade, do raio e também da chuva benfazeja ou devastadora. Segundo um dos mitos do Ras Shamra, Baal não possuía ainda templo enquanto que os demais deuses já tinham seu edifício de culto; tal fato parece indicar que Baal era um deus local, pré-fenício, tendo sido posteriormente incluído no panteão. Aliyan, filho de Baal, regia as fontes subterrâneas e os cursos d'água. Anat, virgem guerreira, irmã de Aliyan, lembra Ishtar dos assírios. Mot, antagonista de Allyan, lembra o Nergal dos babilônios; sol do meio-dia, destruidor de toda vegetação e deus dos infernos.

Através dos textos do Ras Shamra, encontramos na origem do panteão fenício, Os deuses característicos dos asiânicos que precederam, na Fenícia como no resto da Ásia Ocidental, a chegada dos semitas. A religião da Fenícia arcaica é, pois, mais um dado importante, ao lado da religião suméria e da religião hitita, para uma reconstituição da religião primitiva da Ásia Ocidental.

---------------

 

A religião fenícia na Baixa Época

Limitar-nos-emos a citação dos principais componentes do numeroso panteão dessa Época. Esses deuses eram cultuados em diversos lugares, mas cada cidade possuía seu próprio patrono. Os fenícios chamavam seus deuses alonim (plural de el = deus) ou então baalim (plural do baal = senhor). Note-se que esta palavra, além do designar o grande deus Baal dos textos de Ras Shamra, era também empregada para designar separadamente os nomes dos deuses de diversos lugares. Assim, por exemplo, Melqart é o baal de Tiro... Vejamos, agora, algumas divindades e a região de que eram protetoras e onde recebiam culto especial.

Melqart como já exposto, era o baal de Tiro. Seu nome significa "deus da cidade"; os autores gregos e as inscrições bilíngues assimilaram-no à Héracles. A princesa Jezabel introduziu seu culto no reino de Israel, o que lhe valeu as maldições do profeta Elias. Propagado pelos tirios, o culto do Melqart teve fervorosos adeptos no Chipre, Egito e em Cartago.

Dagon era a baal do litoral fenício. Conhecemo-lo no A. T. através da história de Sansão; era cultuado principalmente em Asdod.

Eshmun, deus de Sidon, era identificado pelos autores gregos com Asclépios.

Em Gebal e em Beirut prestava-se culto a uma baalat (feminino de baal). A deusa de Gebal, Ashtart, era, a personificação da fecundidade, deusa da maternidade e da fertilidade, a deusa-mãe.

Além de seu deus protetor, cada cidade fenícia possuía outras divindades nacionais e estrangeiras, principalmente mesopotâmicas, egípcias e gregas. Ao lado do culto aos deuses propriamente ditos, os fenícios veneravam as montanhas, as águas, as pedras e as árvores sagradas. Estas eram consideradas habitações dos deuses.

---------------

 

O culto

Os santuários fenícios eram construídos de preferência em lugares elevados. O templo consistia essencialmente em um recinto sagrado situado em pleno ar livre e possuindo, ao centro, uma capela ou uma pedra sagrada. Diante da capela ou da pedra havia um altar para os sacrifícios. Uma fonte e um bosque completavam o ambiente.

Nesses templos existia um numeroso clero dividido em diversas categorias de acordo com a função desempenhada. Encontramos, assim, os adivinhos que proferiam oráculos, os barbeiros sagrados encarregados de cortar o cabelo dos que o dedicassem aos deuses, etc. O pessoal dos templos era completado pelos hieródulos dos dois sexos que se dedicavam à prostituição sagrada. Conhecemos mal o funcionamento e a razão de ser dessa instituição contra a qual a Bíblia e os escritores da Igreja protestaram várias vezes com violência.

Os fenícios ofereciam a seus deuses sacrifícios de animais como bois, cervos, bodes, cordeiros, pássaros, etc. Havia, igualmente, libações de óleo, leite e vinho. Quando o sacrifício era de grande importância, costumava ser comemorado por meio de uma estela votiva. O que nos causa espanto e horror é o sacrifício de crianças. Tal costume nefando, atestado por Filon, Deodoro e pelas próprias escavações arqueológicas, persistiu segundo Tertuliano, em plena era cristã.

---------------

 

A vida de além-túmulo

Os fenícios acreditavam na vida de além-túmulo. A alma humana, separada do corpo, levava uma vida sem prazeres entre outras "sombras". A sobrevivência da alma, entretanto, estava intimamente relacionada com a sorte do cadáver, dai as precauções tomadas para a conservação do mesmo. Sepultavam-no com objetos de uso corrente do morto tais coma lâmpadas, vasos e jóias. Para evitar os contumazes violadores de sepulturas, procuravam-se lugares escondidos e abrigados: poços profundos e cavernas. Os epitáfios, ao mesmo tempo que asseguravam a ausência do quaisquer tesouros nos sarcófagos, continham sérias ameaças e maldições contra os que ousassem profanar a paz dos mortos. Vejamos este interessante exemplo de inscrição funerária do rei Tabnit, encontrada em Sidon:

"Eu, Tabnit, sacerdote de Ashtart, rei dos Sidônios, filho do Eshmunazar, sacerdote de Ashtart, rei dos Sidônios, descanso nesta caixa. Quem quer que sejas, que encontrares esta caixa, não abras meu túmulo, não me perturbes, pois não existe aqui prata, não existe aqui ouro, tem espécie alguma do vasos. Despojado, em repouso sozinho nesta caixa. Oh! Não abras meu túmulo e não me perturbes, pois é uma coisa abominável a Ashtart, e se te ousares abrir meu túmulo e se tu ousares perturbar-me, que não tenhas nem progenitura entre os vivos sob o sol, nem leito de repouso como as rephaim (sombras)".

Os fenícios adquiriram o hábito, certamente por influência dos egípcios, de mumificar pelo menos os cadáveres das pessoas mais importantes. Não é possível dizer com certeza a época em que tal costume foi introduzido na Fenícia, pois as condições climatéricas não favoreceram, como no Egito, a conservação indefinida das múmias.

Como a religião mesopotâmica, a religião fenícia estava desprovida de conceito de recompensa ou castigo no além, relacionados com o procedimento na vida terrena. As práticas religiosas visavam a conciliar a boa vontade e a proteção dos deuses para uma vida longa e feliz neste mundo. Essa mentalidade está bem expressa na seguinte inscrição em que um rei de Biblos invoca a senhora de Biblos para que faça com que ele viva, que prolongue seus dias e seus anos, porque é um rei justo, que ela lhe faça graça aos olhos dos deuses e aos olhos de seu povo.

Palavras e Significados:
Referências e Notas:

CONTENAU, G. La civilisation Phénicienne. Nouvelle édition revue. Payot, Paris 1944.

Mais de Civilização Fenícia | Religião
Mais TEXTOS
Civilização Fenícia | Religião
Religião Fenícia
Os fenícios acreditavam na vida de além-túmulo. A alma humana, separada do corpo, levava uma vida sem prazeres entre outras -sombras-. A sobrevivência da alma, entretanto, estava intimamente relacionada com a sorte do cadáver, dai as precauções tomadas para a conservação do mesmo. Sepultavam-no com objetos de uso corrente do morto tais coma lâmpadas, vasos e jóias. Para evitar os contumazes violadores de sepulturas, procuravam-se lugares escondidos e abrigados: poços profundos e cavernas
Civilização Fenícia | Outros tópicos
TODOS TEXTOS
Civilização Fenícia | Geografia
Fenícios, o país e o povo
O território habitado pelos fenícios era uma pequena faixa de terra limitada ao norte pelo golfo de Issus situado alem do rio Eleutero (hoje Nahr-el-Kebir), ao sul pelo monte Carmelo, a leste pelo Mediterrâneo e a oeste pela cadeia do Libano. Esta última, cujo nome significa branco, forma uma muralha de difícil acesso com altitudes que vão, em alguns pontos, além dos três mil metros. Seus prolongamentos atingem o próprio litoral, e aí terminam abruptamente dividindo a pequena Fenícia em setores
Civilização Fenícia | Geografia
Todos os caminhos passam pela fenícia
O viajante que, partindo do Egito, pretendesse chegar a Babilônia, deveria, em primeiro lugar, atingir a atual região de Alepo, antiga Haleb na Síria, região para a qual convergiam as estradas que levavam do Eufrates Médio ao litoral mediterrâneo. Dois caminhos conduziam do vale do Nilo àquela importante encruzilhada: um, por terra, percorria o istmo, o deserto, as estepes palestinenses e a Síria interior; outro, mais fácil e menos perigoso, consistia no percurso marítimo até o litoral fenício e
Civilização Fenícia | Sociedade
Legado Fenício
Navegantes e comerciantes, os fenícios aperfeiçoaram a arte náutica e introduziram uma nova mentalidade em povos distantes, pela venda dos produtos de sua indústria ou da indústria de outras regiões, produtos esses intimamente relacionados com a elevação do nível de vida material; o comércio fenício levou o conforto, o bem-estar a povos das mais diferentes raças e regiões do Mundo Antigo. Mas os fenícios não transportavam somente mercadorias; com os artigos de comércio infiltravam-se os aspectos religiosos e intelectuais de sua civilização. Sua religião, por exemplo, revelou-se tão
Civilização Fenícia | Artes
Arte Fenícia
O que caracteriza as manifestações artísticas dos fenícios é, em geral, a falta de originalidade. Essa falta encontra sua explicação em dois fatos. Em primeiro lugar, os fenícios eram um povo utilitarista que se preocupava constantemente com a realização de bons negócios e a consequente obtenção de lucros compensadores. O -time is money- já era, naquela época, uma norma de vida. É a mentalidade comercial, via de regra, não gera clima propicio para as criações originais e para o desenvolvimento
Civilização Fenícia | Artes
Literatura fenícia
As descobertas efetuadas em Ras Shamra constituíram fonte preciosa pra o conhecimento da literatura fnícia. Com efeito, essa literatura, esquecida durante milênios, revelou-se através do material encontrado, que fazia parte da biblioteca dos templos de Ugarit, como um rico patrimônio cultural. Entre as centenas de tabuinhas, existem documentos diplomáticos, administrativos, documentos de arquivos reais, correspondência comercial e particular, hinos e textos mitológicos. Com relação a esses
Civilização Fenícia | Língua
Alfabeto fenício
A principal característica do alfabeto fenício é seu consonantismo. Os fenícios não escreviam as vogais das palavras: só grafavam as consoantes. Tal fato que, a primeira vista, nos parece estranho, torna-se compreensível quando levamos em considerarão a predominância, nos vocábulos das línguas semíticas, da raiz triconsonantal; este grupo abstrato de consoantes encerra a idéia fundamental do vocábulo e de seus derivados. A essa estrutura fundamental ajuntam-se vogais, prefixos e sufixos que
Civilização Fenícia | Sociedade
Estrutura político-social fenícia
A população das cidades era constituída, em grande parte, de numeroso proletariado urbano que se dedicava às diversas ocupações industriais. Em algumas cidades fenícias, encontramos colônias estrangeiras. Marinheiros e mercadores, que percorriam mares e terras distantes, completavam o cosmopolitismo dos portos fenícios. A população rural vivia sob rigorosa opressão, os lavradores só eram parceiros, felás, e tinham que entregar ao Estado ou aos antigos cidadãos a quarta parte dos produtos e, em
Civilização Fenícia | Sociedade
O povo Fenício
Os fenícios não constituíam um povo heterogêneo somente sob o ponto de vista racial; a origem de sua cultura também o é: Assim como na Mesopotâmia não se pode estudar o babilônio sem encontrar o sumério (protótipos sumerianos para as leis babilônicas do Código de Hammurabi, protótipos sumerianos da maior parte das grandes epopeias religiosas da Babilônia), na Fenícia encontramos sob o cananeu, o asiânico e o egeu. Nas duas extremidades do crescente fértil, como o assiriólogo Clay chamava o
Outras civilizações
Brasil
Civilização Árabe
Civilização Assíria
Civilização Asteca
Civilização Babilônica
Civilização Celta
Civilização Chinesa
Civilização Cretense
Civilização Egípcia
Civilização Elamita
Civilização Etrusca
Civilização Fenícia
Civilização Grega
Civilização Hebráica
Civilização Hitita
Civilização Indiana
Civilização Lídia
Civilização Maia
Civilização Meda
Civilização Micênica
Civilização Olmeca
Civilização Persa
Civilização Romana
Civilização Suméria
França
Francos
Império Bizantino
Mesolítico
Neolítico
Normandos
Paleolítico
Portugal
Rússia
Vikings
Estela de Baal
Estela fenícia representando o deus Baal.
Deusa fenícia Astarte
Gravura representando a Deusa fenícia Astarte.
Outros textos
Todos Textos
Civilização Indiana | Sociedade
O legado da Índia antiga
A Índia foi, na Antiguidade e em épocas posteriores, uma fecunda encruzilhada de civilizações, um centro de intensa irradiação de idéias filosóficas e religiosas, havendo sempre mútuas relações existentes entre a península hindostânica e outros países. A Índia, pois, não só recebeu como também transmitiu influências culturais. Vamos esboçar um quadro dessas intercomunicações na Antiguidade e, a seguir, citar alguns exemplos das contribuições indianas à grande corrente da civilização. Houve um intenso intercâmbio cultural entre o vale do Indo e as velhas civilizações da Mesopotamia. Intercâmbio semelhante existiu com o império
Civilização Indiana | Religião
As religiões na Índia antiga
Como entre outros povos do Oriente, o espírito religioso impregnou sobremaneira a atividade das populações da índia. Desde a Proto-história Indiana, o fator religioso exerce papel preponderante na Civilização da península. Segue-se daí, evidentemente, que, pelo menos, uma visão de conjunto das religiões da Índia é indispensável para completar um estudo, ainda que ligeiro, dessa civilização. Mencionamos a palavra religião no plural porque, na realidade, mais de uma doutrina religiosa distinta atuou profundamente na mentalidade da população indiana. Uma das características da civilização hindu, que torna seu estudo difícil, é que a índia «justapõe e coordena sem assimilar; explica-se assim que sua civilização antes conserve os
Civilização Indiana | Ciências
As ciências na Índia antiga
O estudo das ciências da índia Antiga constitui um dos capítulos mais atraentes de sua Civilização, não só pela abundância e antiguidade das fontes existentes como também pela constatação da existência de um intercâmbio científico entre as grandes civilizações. Assim é que, num estudo mais extenso e aprofundado da Ciência indiana, seria necessário levar em consideração os contactos com as ciências da Mesopotâmia, da Grécia, do Império Romano e das regiões do Extremo Oriente. Ocupar-nos-emos aqui de três ramos da ciência indiana antiga: Astronomia, Matemática e Medicina.
Civilização Indiana | Artes
A arte, arquitetura e escultura indiana
As manifestações artísticas de Harappa e de Mohenjo-Daro estão inegavelmente relacionadas com as existentes na Mesopotâmia e no Irã. A arquitetura, a escultura e a cerâmica estão representadas nas descobertas arqueológicas efetuadas no vale do Indo. A propósito das ruínas de Mohenjo-Daro, Brion escreve: «Quem percorre hoje essas ruínas, quem entra nas casas e nos estabelecimentos de banhos não pode deixar de admirar o engenho desses antigos ocupantes que haviam construído uma cidade agradável, ordenada para o bem-estar dos cidadãos, sem ter, à sua disposição, outros meios de construção a não ser o tijolo. Pouca pedra, pouca madeira. O tijolo servia para todos os empregos e era encontrado em
Civilização Indiana | Artes
A literatura indiana
No III milênio, quando florescia a civilização de Harappa, estava em uso no vale do Indo uma escrita que se convencionou chamar proto-indiana, e que aparece sobretudo em sinetes de pedra e lâminas de cobre. Esse tipo de escrita, surgido e desaparecido com a civilização de Harappa, apresenta diversos sinais representando figuras humanas, partes do corpo humano, animais, vegetais, etc. Ao que tudo indica, está excluída a hipótese de uma escrita alfabética ou unicamente silábica. Parece tratar-se de um sistema ao menos parcialmente ideográfico. As tentativas para a decifração da escrita do vale do Indo na época de Harappa têm fracassado, até o presente, entre outras, por duas razões: a falta de inscrições bilíngues e a
Civilização Indiana | Economia
A economia da Índia antiga
Se aos brâmanes cabia resolver os assuntos de ordem religiosa e aos nobres os problemas políticos, aos vaiçyas estavam afetos os problemas de ordem econômica. Essa casta formava, por assim dizer, a aristocracia dos trabalhadores. A agricultura, a indústria e o comércio eram o grande campo de atividade dos vaiçyas. Os invasores arianos foram primeiramente pastores. Em breve, porém, se adaptaram às técnicas agrícolas desenvolvidas, talvez por influência da Mesopotâmia, na bacia do Indo. Entre os principais produtos agrícolas figuravam a cevada, o trigo, a ervilha, o sésamo, o algodão, a cana de açúcar,
Civilização Indiana | Sociedade
Estrutura social e sistemas de castas na Índia
A simples menção da estrutura social na índia traz-nos imediatamente à mente o famoso sistema de castas. A sociedade anterior à invasão ariana, segundo opinião corrente, não conheceu essa divisão social. A sociedade ariana estava estruturada em três camadas que, na Índia védica, receberam a designação de brahman, ksatra e vic; os sudras não são mencionados nos Vedas. Estes aludem apenas à multidão de estranhos que se situam abaixo da população ariana. Note-se, entretanto, que essas camadas sociais não possuíam inicialmente as características de casta. Eram antes classes sociais que castas: as
Civilização Indiana | Geografia
Índia, o país, o povo e a língua
Os gregos chamaram Indos o Sindhu (rio, em língua nativa), e toda a região situada além desse rio passou a receber a mesma designação. A vasta extensão de terra, que hoje designamos por índia, situa-se entre os paralelos de 8 a 37 graus de latitude norte e possui mais de 4,6 de quilômetros quadrados de superfície, abrangendo
três regiões naturais distintas: A Barreira Montanhosa, a Planície Indo-Gangética e o Planalto peninsular. Na Barreira Montanhosa, ao norte, assinalamos a imponente cordilheira do Himalaia com suas neves eternas. A Planície Indo-Gangética estende-se entre as montanhas do norte e o planalto, desde o mar de Omã até ao golfo de Bengala por cerca de 3.000 quilômetros. As duas principais correntes
Civilização Indiana | Fontes
O estudo da Índia: Fontes
A dificuldade do estudo da História da Índia começa com as fontes. Onde encontraremos os dados indispensáveis à reconstituição científica do passado da Índia? Em primeiro lugar, na tradição literária. Esta é abundantíssima e consiste, por exemplo, nas diferentes partes do Veda (o saber) e em seus suplementos, o Vedanga. Desses textos, os historiadores da Índia podem, provavelmente, extrair, com as devidas precauções, conhecimentos relativos a um período que se estenderia, mais ou menos, desde a metade do segundo milênio até o penúltimo século a.e.c. Falamos em precaução
França | Família
Da família medieval a família moderna
Um texto italiano do fim do século XV dá-nos uma ideia muito sugestiva da família medieval, ao menos na Inglaterra. Ele foi extraído pelo historiador inglês Fumival[1] de uma Relação da Ilha da Inglaterra de um italiano: “A falta de afeição dos ingleses manifesta-se particularmente em sua atitude com relação às suas crianças. Após conservá-las em casa até a idade de sete ou nove anos (em nossos autores antigos, sete anos era a idade em que os meninos deixavam as mulheres para ingressar na escola ou no mundo dos adultos), eles as colocam, tanto os meninos como as meninas, nas casas de outras pessoas, para aí fazerem o serviço pesado, e as crianças aí permanecem por um período de sete a nove anos (portanto, até entre
Últimas atualizações
Mais atualizaÇÕES
História
  • Democracia ateniense

    Quando Atenas começa a se tornar palidamente visível entre as névoas da antiga Grécia, seu governo central ainda é muito limitado. As funções executivas estão entre as mãos de nove arcontes, eleitos anualmente dentre os aristocratas pelo conselho do Areópago. Pelo menos em épocas posteriores, o rei arconte (basileas) supervisionava os ritos religiosos que reunia

História
  • As religiões na Índia antiga

    Como entre outros povos do Oriente, o espírito religioso impregnou sobremaneira a atividade das populações da índia. Desde a Proto-história Indiana, o fator religioso exerce papel preponderante na Civilização da península. Segue-se daí, evidentemente, que, pelo menos, uma visão de conjunto das religiões da Índia é indispensável para completar um estudo, ainda qu

História
  • A economia da Índia antiga

    Os invasores arianos foram primeiramente pastores. Em breve, porém, se adaptaram às técnicas agrícolas desenvolvidas, talvez por influência da Mesopotâmia, na bacia do Indo. Entre os principais produtos agrícolas figuravam a cevada, o trigo, a ervilha, o sésamo, o algodão, a cana de açúcar, legumes de diversas espécies, árvores frutíferas, etc. Com cereais era f