Psicologia
Mitologia
Geologia
Filosofia
Astronomia
Antropologia
Pré, Proto-História (246mil a.e.c.)
Idade Antiga (4000 a.e.c. - 476 d.e.c.)
Idade Média (476 - 1453 d.e.c.)
Idade Moderna (1453 - 1789 d.e.c.)
Idade Contemporânea (1789 - 1946 d.e.c.)
Era da Informação (1946 - Presente)
Artes
Geografia
Língua
Religião
Sociedade
Alt 1
Religião Fenícia

 

LINK CURTO:
http://bit.ly/1PdamJs
Civilização Fenícia - Idade Antiga - Antiguidade Oriental
Este texto não é de propriedade do editor do sítio. < Clique para solicitar referências e autoria >
Por Mário Curtis Giordani

Fontes | Religião fenícia segundo os textos de Ras Shamra | Religião fenícia na Baixa Época | O Culto | A vida além túmulo

Fontes

Existe uma tríplice fonte para o estudo da religião fenícia: o A.T., os autores antigos gregos e latinos, e as descobertas arqueológicas.

A.T. Através das páginas candentes do A.T. a religião fenícia aparece-nos condenada pelo Monoteísmo hebraico por causa de sua abominável idolatria. Quem não conhece, só para citar um exemplo, o dramático e vitorioso desafio do profeta Elias aos sacerdotes de Baal introduzidos por Jezabel, a princesa de Tiro?

Autores antigos - Uma das principais obras antigas citadas no estudo da religião fenícia é o trabalho de Filon, escritor grego nascido na Fenícia pelo ano 42 da era cristã. Filon traduziu as obras de um sacerdote fenício do século XI a.e.c.. chamado Sanchoniathon. Infelizmente FIlon só nos é conhecido através de fragmentos citados por diversos autores entre os quais figura Eusébio, a pai da História Eclesiástica.

Escavações arqueológicas - Os textos de Ras Shamra constituem, naturalmente, as principais fontes arqueológicas. Com efeito, as escavações realizadas na antiga Ugarit ampliaram muito nossos conhecimentos sobre as idéias religiosas dos fenícios. (Os textos de Ras Shamra nos fazem conhecer a religião fenícia arcaica, pois, se a redação das tabuinhas remonta a segunda metade do século XV, seu conteúdo encerra mitos e lendas extremamente antigos, por mais modificados que tenham sido através dos séculos. E esta religião parece nitidamente do tipo asiânico pela parte preponderante que dá aos ritos agrários e às divindades da essência de par de fertilidade e de fecundidade.

Um estudo, mesmo sumário, da religião fenícia deve distinguir duas épocas diferentes: a primeira, que nos é descrita pelas tabuinhas de Ras Shamra, remonta ao II milênio a.e.c.; a segunda é a chamada baixa-época e mostra-nos a religião fenícia já sob a influência grega.

---------------

 

A religião fenícia segundo os textos do Ras Shamra

Vamos citar, a título de exemplo, alguns deuses do panteão fenício tal qual o encontramos nos textos da antiga Ugarit. No cimo do panteão está o deus El-Dagon que possui as atribuições de presidir o curso dos rios e anunciar as chuvas. Em segundo lugar, temos o deus Baal; esse nome, que significa mestre, senhor, designa, nos textos de Ras Shamra, um deus determinado que equivale ao Adad dos mesopotâmicos (Hadad dos sírios). É o deus das alturas, da tempestade, do raio e também da chuva benfazeja ou devastadora. Segundo um dos mitos do Ras Shamra, Baal não possuía ainda templo enquanto que os demais deuses já tinham seu edifício de culto; tal fato parece indicar que Baal era um deus local, pré-fenício, tendo sido posteriormente incluído no panteão. Aliyan, filho de Baal, regia as fontes subterrâneas e os cursos d'água. Anat, virgem guerreira, irmã de Aliyan, lembra Ishtar dos assírios. Mot, antagonista de Allyan, lembra o Nergal dos babilônios; sol do meio-dia, destruidor de toda vegetação e deus dos infernos.

Através dos textos do Ras Shamra, encontramos na origem do panteão fenício, Os deuses característicos dos asiânicos que precederam, na Fenícia como no resto da Ásia Ocidental, a chegada dos semitas. A religião da Fenícia arcaica é, pois, mais um dado importante, ao lado da religião suméria e da religião hitita, para uma reconstituição da religião primitiva da Ásia Ocidental.

---------------

 

A religião fenícia na Baixa Época

Limitar-nos-emos a citação dos principais componentes do numeroso panteão dessa Época. Esses deuses eram cultuados em diversos lugares, mas cada cidade possuía seu próprio patrono. Os fenícios chamavam seus deuses alonim (plural de el = deus) ou então baalim (plural do baal = senhor). Note-se que esta palavra, além do designar o grande deus Baal dos textos de Ras Shamra, era também empregada para designar separadamente os nomes dos deuses de diversos lugares. Assim, por exemplo, Melqart é o baal de Tiro... Vejamos, agora, algumas divindades e a região de que eram protetoras e onde recebiam culto especial.

Melqart como já exposto, era o baal de Tiro. Seu nome significa "deus da cidade"; os autores gregos e as inscrições bilíngues assimilaram-no à Héracles. A princesa Jezabel introduziu seu culto no reino de Israel, o que lhe valeu as maldições do profeta Elias. Propagado pelos tirios, o culto do Melqart teve fervorosos adeptos no Chipre, Egito e em Cartago.

Dagon era a baal do litoral fenício. Conhecemo-lo no A. T. através da história de Sansão; era cultuado principalmente em Asdod.

Eshmun, deus de Sidon, era identificado pelos autores gregos com Asclépios.

Em Gebal e em Beirut prestava-se culto a uma baalat (feminino de baal). A deusa de Gebal, Ashtart, era, a personificação da fecundidade, deusa da maternidade e da fertilidade, a deusa-mãe.

Além de seu deus protetor, cada cidade fenícia possuía outras divindades nacionais e estrangeiras, principalmente mesopotâmicas, egípcias e gregas. Ao lado do culto aos deuses propriamente ditos, os fenícios veneravam as montanhas, as águas, as pedras e as árvores sagradas. Estas eram consideradas habitações dos deuses.

---------------

 

O culto

Os santuários fenícios eram construídos de preferência em lugares elevados. O templo consistia essencialmente em um recinto sagrado situado em pleno ar livre e possuindo, ao centro, uma capela ou uma pedra sagrada. Diante da capela ou da pedra havia um altar para os sacrifícios. Uma fonte e um bosque completavam o ambiente.

Nesses templos existia um numeroso clero dividido em diversas categorias de acordo com a função desempenhada. Encontramos, assim, os adivinhos que proferiam oráculos, os barbeiros sagrados encarregados de cortar o cabelo dos que o dedicassem aos deuses, etc. O pessoal dos templos era completado pelos hieródulos dos dois sexos que se dedicavam à prostituição sagrada. Conhecemos mal o funcionamento e a razão de ser dessa instituição contra a qual a Bíblia e os escritores da Igreja protestaram várias vezes com violência.

Os fenícios ofereciam a seus deuses sacrifícios de animais como bois, cervos, bodes, cordeiros, pássaros, etc. Havia, igualmente, libações de óleo, leite e vinho. Quando o sacrifício era de grande importância, costumava ser comemorado por meio de uma estela votiva. O que nos causa espanto e horror é o sacrifício de crianças. Tal costume nefando, atestado por Filon, Deodoro e pelas próprias escavações arqueológicas, persistiu segundo Tertuliano, em plena era cristã.

---------------

 

A vida de além-túmulo

Os fenícios acreditavam na vida de além-túmulo. A alma humana, separada do corpo, levava uma vida sem prazeres entre outras "sombras". A sobrevivência da alma, entretanto, estava intimamente relacionada com a sorte do cadáver, dai as precauções tomadas para a conservação do mesmo. Sepultavam-no com objetos de uso corrente do morto tais coma lâmpadas, vasos e jóias. Para evitar os contumazes violadores de sepulturas, procuravam-se lugares escondidos e abrigados: poços profundos e cavernas. Os epitáfios, ao mesmo tempo que asseguravam a ausência do quaisquer tesouros nos sarcófagos, continham sérias ameaças e maldições contra os que ousassem profanar a paz dos mortos. Vejamos este interessante exemplo de inscrição funerária do rei Tabnit, encontrada em Sidon:

"Eu, Tabnit, sacerdote de Ashtart, rei dos Sidônios, filho do Eshmunazar, sacerdote de Ashtart, rei dos Sidônios, descanso nesta caixa. Quem quer que sejas, que encontrares esta caixa, não abras meu túmulo, não me perturbes, pois não existe aqui prata, não existe aqui ouro, tem espécie alguma do vasos. Despojado, em repouso sozinho nesta caixa. Oh! Não abras meu túmulo e não me perturbes, pois é uma coisa abominável a Ashtart, e se te ousares abrir meu túmulo e se tu ousares perturbar-me, que não tenhas nem progenitura entre os vivos sob o sol, nem leito de repouso como as rephaim (sombras)".

Os fenícios adquiriram o hábito, certamente por influência dos egípcios, de mumificar pelo menos os cadáveres das pessoas mais importantes. Não é possível dizer com certeza a época em que tal costume foi introduzido na Fenícia, pois as condições climatéricas não favoreceram, como no Egito, a conservação indefinida das múmias.

Como a religião mesopotâmica, a religião fenícia estava desprovida de conceito de recompensa ou castigo no além, relacionados com o procedimento na vida terrena. As práticas religiosas visavam a conciliar a boa vontade e a proteção dos deuses para uma vida longa e feliz neste mundo. Essa mentalidade está bem expressa na seguinte inscrição em que um rei de Biblos invoca a senhora de Biblos para que faça com que ele viva, que prolongue seus dias e seus anos, porque é um rei justo, que ela lhe faça graça aos olhos dos deuses e aos olhos de seu povo.

Palavras e Significados:
Referências e Notas:

CONTENAU, G. La civilisation Phénicienne. Nouvelle édition revue. Payot, Paris 1944.

Mais de Civilização Fenícia | Religião
Mais TEXTOS
Civilização Fenícia | Religião
Religião Fenícia
Os fenícios acreditavam na vida de além-túmulo. A alma humana, separada do corpo, levava uma vida sem prazeres entre outras -sombras-. A sobrevivência da alma, entretanto, estava intimamente relacionada com a sorte do cadáver, dai as precauções tomadas para a conservação do mesmo. Sepultavam-no com objetos de uso corrente do morto tais coma lâmpadas, vasos e jóias. Para evitar os contumazes violadores de sepulturas, procuravam-se lugares escondidos e abrigados: poços profundos e cavernas
Civilização Fenícia | Outros tópicos
TODOS TEXTOS
Civilização Fenícia | Geografia
Fenícios, o país e o povo
O território habitado pelos fenícios era uma pequena faixa de terra limitada ao norte pelo golfo de Issus situado alem do rio Eleutero (hoje Nahr-el-Kebir), ao sul pelo monte Carmelo, a leste pelo Mediterrâneo e a oeste pela cadeia do Libano. Esta última, cujo nome significa branco, forma uma muralha de difícil acesso com altitudes que vão, em alguns pontos, além dos três mil metros. Seus prolongamentos atingem o próprio litoral, e aí terminam abruptamente dividindo a pequena Fenícia em setores
Civilização Fenícia | Geografia
Todos os caminhos passam pela fenícia
O viajante que, partindo do Egito, pretendesse chegar a Babilônia, deveria, em primeiro lugar, atingir a atual região de Alepo, antiga Haleb na Síria, região para a qual convergiam as estradas que levavam do Eufrates Médio ao litoral mediterrâneo. Dois caminhos conduziam do vale do Nilo àquela importante encruzilhada: um, por terra, percorria o istmo, o deserto, as estepes palestinenses e a Síria interior; outro, mais fácil e menos perigoso, consistia no percurso marítimo até o litoral fenício e
Civilização Fenícia | Sociedade
Legado Fenício
Navegantes e comerciantes, os fenícios aperfeiçoaram a arte náutica e introduziram uma nova mentalidade em povos distantes, pela venda dos produtos de sua indústria ou da indústria de outras regiões, produtos esses intimamente relacionados com a elevação do nível de vida material; o comércio fenício levou o conforto, o bem-estar a povos das mais diferentes raças e regiões do Mundo Antigo. Mas os fenícios não transportavam somente mercadorias; com os artigos de comércio infiltravam-se os aspectos religiosos e intelectuais de sua civilização. Sua religião, por exemplo, revelou-se tão
Civilização Fenícia | Artes
Arte Fenícia
O que caracteriza as manifestações artísticas dos fenícios é, em geral, a falta de originalidade. Essa falta encontra sua explicação em dois fatos. Em primeiro lugar, os fenícios eram um povo utilitarista que se preocupava constantemente com a realização de bons negócios e a consequente obtenção de lucros compensadores. O -time is money- já era, naquela época, uma norma de vida. É a mentalidade comercial, via de regra, não gera clima propicio para as criações originais e para o desenvolvimento
Civilização Fenícia | Artes
Literatura fenícia
As descobertas efetuadas em Ras Shamra constituíram fonte preciosa pra o conhecimento da literatura fnícia. Com efeito, essa literatura, esquecida durante milênios, revelou-se através do material encontrado, que fazia parte da biblioteca dos templos de Ugarit, como um rico patrimônio cultural. Entre as centenas de tabuinhas, existem documentos diplomáticos, administrativos, documentos de arquivos reais, correspondência comercial e particular, hinos e textos mitológicos. Com relação a esses
Civilização Fenícia | Língua
Alfabeto fenício
A principal característica do alfabeto fenício é seu consonantismo. Os fenícios não escreviam as vogais das palavras: só grafavam as consoantes. Tal fato que, a primeira vista, nos parece estranho, torna-se compreensível quando levamos em considerarão a predominância, nos vocábulos das línguas semíticas, da raiz triconsonantal; este grupo abstrato de consoantes encerra a idéia fundamental do vocábulo e de seus derivados. A essa estrutura fundamental ajuntam-se vogais, prefixos e sufixos que
Civilização Fenícia | Sociedade
Estrutura político-social fenícia
A população das cidades era constituída, em grande parte, de numeroso proletariado urbano que se dedicava às diversas ocupações industriais. Em algumas cidades fenícias, encontramos colônias estrangeiras. Marinheiros e mercadores, que percorriam mares e terras distantes, completavam o cosmopolitismo dos portos fenícios. A população rural vivia sob rigorosa opressão, os lavradores só eram parceiros, felás, e tinham que entregar ao Estado ou aos antigos cidadãos a quarta parte dos produtos e, em
Civilização Fenícia | Sociedade
O povo Fenício
Os fenícios não constituíam um povo heterogêneo somente sob o ponto de vista racial; a origem de sua cultura também o é: Assim como na Mesopotâmia não se pode estudar o babilônio sem encontrar o sumério (protótipos sumerianos para as leis babilônicas do Código de Hammurabi, protótipos sumerianos da maior parte das grandes epopeias religiosas da Babilônia), na Fenícia encontramos sob o cananeu, o asiânico e o egeu. Nas duas extremidades do crescente fértil, como o assiriólogo Clay chamava o
Outras civilizações
Brasil
Civilização Árabe
Civilização Assíria
Civilização Asteca
Civilização Babilônica
Civilização Celta
Civilização Chinesa
Civilização Cretense
Civilização Egípcia
Civilização Elamita
Civilização Etrusca
Civilização Fenícia
Civilização Grega
Civilização Hebráica
Civilização Hitita
Civilização Indiana
Civilização Lídia
Civilização Maia
Civilização Meda
Civilização Micênica
Civilização Olmeca
Civilização Persa
Civilização Romana
Civilização Suméria
França
Francos
Império Bizantino
Mesolítico
Neolítico
Normandos
Paleolítico
Portugal
Rússia
Vikings
Estela de Baal
Estela fenícia representando o deus Baal.
Deusa fenícia Astarte
Gravura representando a Deusa fenícia Astarte.
Outros textos
Todos Textos
Civilização Chinesa | Força Militar
A guerra na China antiga
A partir do século VI a.e.c. e durante o período dos Estados Combatentes, os soberanos que lutavam pelo controle do território chinês transformaram a ordem social e econômica de seus principados em função das necessidades bélicas. A nobreza guerreira já não era predominante na composição dos exércitos, cuja força estava principalmente nas imponentes legiões de infantaria. A guerra "cortês" de uma época, praticada pelos filhos das famílias nobres especializados em conduzir bigas velozes, se transformou em uma lembrança distante. As tropas militares que nos séculos VII e VI a.e.c. chegaram a 30 mil unidades se transformaram em exércitos poderosos a serviço de chefes sem escrúpulos que, de acordo com a oportunidade, decidiam que lado apoiar. Eram compostos por centenas de milhares de soldados de infantaria, cavaleiros e bigas. O carro de guerra, introduzido
Civilização Chinesa | Cotidiano
A luxuosidade da nobreza na China antiga
As crônicas e as obras literárias estão repletas de descrições dos privilégios e dos prazeres reservados aos nobres e aos ricos. O luxo e o fausto ostentados pelas cortes reais e imperiais eram lendários no mundo antigo e ainda hoje espantam os arqueólogos que esbarram nos preciosos vestígios do passado. Os muitos achados deste último século confirmaram narrativas que pareciam exageradas e fantásticas, fruto da imaginação que freqüentemente substitui a realidade quando as informações se tornam inacessíveis pela distância social entre os escritores e seus personagens. Grande parte das tumbas dos grandes soberanos e dos imperadores ainda não foi achada. Quando forem abertas suas moradas eternas, serão
Civilização Chinesa | Cotidiano
A música e as diversões na China antiga
Nos antigos textos chineses, a palavra "música" (yue) era escrita com um homógrafo de "gozo, prazer, diversão". "A música é gozo", declarava, com uma espécie de tautologia, Xunzi, um dos mais brilhantes pensadores do século III a.e.c.; é "o movimento do coração", afirmava o autor anônimo do Liji (Memorial dos ritos), texto canônico do pensamento confuciano antigo que contém o capítulo Yueji (Memorial da música). Essa música tinha um papel principal na tradição chinesa, fosse ela a música da natureza amada pelos taoístas, baseada não tanto nos sons criados artificialmente pelos homens, mas nas notas naturais que compõem a própria respiração da Terra e o sopro cósmico que tudo envolve, fosse a música da alma de que falavam os confucianos, uma melodia capaz de modificar o caráter dos homens, ajudando a disciplinar as emoções, a se cultivar, a aumentar a integridade e a força moral, permitindo-lhes ter uma relação de serenidade com seus semelhantes, com a natureza e com todo o universo.
Civilização Chinesa | Cotidiano
A vida cotidiana na China antiga
O estilo de vida dos soberanos e dos aristocratas chineses foi tema de inumeráveis narrativas históricas, obras literárias e pictóricas, ao passo que é muito pouco o que se sabe sobre os costumes das pessoas comuns. A vida na corte e no interior das moradias suntuosas da nobreza era rigidamente determinada por complexos códigos rituais que não apenas estabeleciam normas minuciosas para a realização de cerimônias públicas e privadas, mas também chegavam a determinar o comportamento correto entre os familiares, prescrevendo para cada membro da vasta parentela as atitudes apropriadas em cada circunstância. Tal rigidez e solenidade tinham como principal símbolo o esplendor da decoração.
Civilização Chinesa | Arquitetura
Arquitetura chinesa
São muito poucos os restos preservados das obras arquitetônicas chinesas antigas, sistematicamente construídas com materiais perecíveis. A opção,feita durante muito tempo, de fabricar os elementos estruturais em madeira, reservando aos materiais resistentes ao desgaste do tempo funções meramente de decoração, determinou o desaparecimento de todas as construções do período pré-imperial e a quase totalidade das construções do período imperial até os Tang. Não chegaram até nós sequer os suntuosos palácios reais, descritos em diversas obras literárias que louvaram sua grandiosidade, sua beleza e a suntuosidade de sua decoração. Afora alguns pagodes de pedra ou tijolo, construídos a partir dos séculos
Civilização Chinesa | Religião
Túmulos e enxovais funerários na China antiga
A grande riqueza dos enxovais funerários encontrados na China nas tumbas dos aristocratas ou dos soberanos de todas as épocas seguia o costume de homenagear o defunto com as honras devidas a seu estado e à convicção, arraigada desde tempos remotos, de que a vida não acabava com a morte. Durante os milênios que separam o Neolítico da dinastia Tang, ao longo de muitos séculos marcados por uma constante evolução da civilização, sucederam-se diversas concepções religiosas e filosóficas, determinando mudanças profundas tanto na composição dos enxovais funerários quanto no complexo repertório iconográfico que permitiu aos arqueólogos compreender as crenças relacionadas à vida não terrena das épocas às quais
Civilização Chinesa | Religião
O universo religioso na China antiga
Os jesuítas que nos séculos passados visitaram o Império do Meio com a intenção de difundir o cristianismo transmitiram ao Ocidente a imagem de uma China habitada por povos pouco inclinados ao sentimento religioso e governados por sábios filósofos. Esse testemunho produziu um efeito distorcido, e não permite compreender as peculiaridades e a riqueza do sentimento religioso, forte e autêntico, que impregnou a sociedade chinesa desde os tempos mais remotos. O achado dos primeiros assentamentos humanos na China comprova a presença de objetos e representações intimamente relacionados a crenças relativas às divindades e ao mundo dos espíritos e dos demônios. A existência na época neolítica de um conjunto
Civilização Chinesa | Sociedade
O legado cultural da China antiga
A História da China, desde milênios, não conhece solução de continuidade. Eis um fato importante a ser considerado quando se procura definir o legado da China antiga à Civilização. As velhas tradições, as grandes sínteses doutrinárias filosófico-religiosas que no passado deitaram raízes na alma chinesa, continuaram durante toda a História a influir na mentalidade das gerações que se sucederam no velho país do Extremo Oriente. Tal asserção pode ser ilustrada com o exemplo do Confucionismo que, durante milênios, tem sido o «código ortodoxo de toda a vida moral e espiritual e, apesar dos sistemas concorrentes, continua a ser o princípio diretivo da vida social. Desde a dinastia dos Han, a instrução pública baseia-se inteiramente
Civilização Chinesa | Religião
A religião e a filosofia na China antiga
As ideias religiosas e filosóficas dos chineses despertaram sempre grande curiosidade entre os europeus. Nos tempos modernos foram sobretudo os missionários jesuítas que chamaram a atenção dos intelectuais do Ocidente para a riqueza cultural da China. «Bouvet trouxe a primeira biblioteca chinesa para a corte de Luís XIV, e nos salões parisienses esteve na moda entusiasmar-se por Confúcio cujo racionalismo frio agradava aos homens do Século das Luzes».
Civilização Chinesa | Ciências
As ciências na China antiga
Huang-Fu Mi, no III século de nossa era, versa sobre um dos mais curiosos tratamentos da medicina chinesa: a acupuntura. «Os missionários falam com admiração da arte dos médicos chineses de curar enfermidades que são consideradas entre nós como incuráveis, e como as curam com meios muito simples. Entre suas próprias e antiquíssimas invenções está a acupuntura aplicada em grande número de enfermidades, e muitas vezes com êxito, que maravilha os europeus. Picam o corpo com grandes agulhas de metal e toda a arte do médico consiste em escolher o lugar e conhecer exatamente a direção e profundidade da picada. Os chineses chamam o homem microcosmos, Siaotienty. A saúde consiste, para eles, na harmonia ou equilíbrio entre
Últimas atualizações
Mais atualizaÇÕES
História
  • A guerra na China antiga

    Um código de honra que todos os chefes de valor tentavam respeitar determinava o comportamento que devia ser adotado frente aos próprios adversários, tanto durante a batalha quanto em caso de vitória. Graças a um princípio de clemência freqüentemente aplicado, quando os Zhou conquistaram Yin, a capital Shang, não arrasaram a cidade; em vez disso, confiaram seu g

História
  • A vida cotidiana na China antiga

    O estilo de vida dos soberanos e dos aristocratas chineses foi tema de inumeráveis narrativas históricas, obras literárias e pictóricas, ao passo que é muito pouco o que se sabe sobre os costumes das pessoas comuns. A vida na corte e no interior das moradias suntuosas da nobreza era rigidamente determinada por complexos códigos rituais que não apenas estabelecia

História
  • O universo religioso na China antiga

    Os jesuítas que nos séculos passados visitaram o Império do Meio com a intenção de difundir o cristianismo transmitiram ao Ocidente a imagem de uma China habitada por povos pouco inclinados ao sentimento religioso e governados por sábios filósofos. Esse testemunho produziu um efeito distorcido, e não permite compreender as peculiaridades e a riqueza do sentiment