Psicologia
Mitologia
Geologia
Filosofia
Astronomia
Antropologia
Pré, Proto-História (246mil a.e.c.)
Idade Antiga (4000 a.e.c. - 476 d.e.c.)
Idade Média (476 - 1453 d.e.c.)
Idade Moderna (1453 - 1789 d.e.c.)
Idade Contemporânea (1789 - 1946 d.e.c.)
Era da Informação (1946 - Presente)
Agricultura
Artes
Ciências
Família
Religião
Sociedade
Alt 1
Sacrifícios humanos maias

 

LINK CURTO:
http://bit.ly/1SzhsnG
História - Idade Antiga - Antiguidade Americana - Civilização Maia - Sacrifício Humano - Ritual de sacrifício humano
Este texto não é de propriedade do editor do sítio. < Clique para solicitar referências e autoria >
Por Márcia Gimenez & Mônica Martinez

O povo maia acreditava que a função do ser humano na terra era venerar os deuses. Sem o homem para realizar os rituais adequados, os deuses morreriam, o que acarretaria o desaparecimento do universo. Por conta disso, na vida cotidiana eles se dedicavam à realização das mais diferentes cerimônias, nas quais, para alimentar e apaziguar os deuses, eram comuns as oferendas, como flores, frutas e alimentos, que chegavam a ser preparados. Mas o ritual mais importante eram os sacrifícios de animais e de seres humanos. Os deuses, pensavam os maias, precisavam de sangue - a energia vital e sagrada. Todas as cidades possuíam um centro cerimonial onde eram realizados os rituais de adoração aos deuses. Grandes cerimônias públicas, realizadas em todo o império, estavam relacionadas com o calendário - eram festejadas datas como o Ano Novo, por exemplo - e incluíam os rituais de fertilidade, iniciativos, de adivinhação e curandeirismo, além dos referentes aos ciclos da vida: gravidez, nascimento, infância, puberdade, casamento e morte. Nos rituais de sacrifício, as vítimas eram escravos, inimigos capturados ou mulheres virgens.

 

JOGO MACABRO

Um dos principais ritos de sacrifício humano era uma espécie de jogo de bola, simbolizando a luta de contrários cósmicos. Esses contrários podiam ser o sol e a lua, as forças do dia contra as da noite. O jogo sempre estava relacionado com a luta sagrada de princípios astrais para a manutenção da vida.

Era precedido por uma procissão, seguida da decapitação de um prisioneiro ou escravo. Sua cabeça era usada como bola, simbolizando o astro que era venerado. Tinha início então o jogo, que imitava os movimentos do astro no céu. Ao realizá-lo os maias acreditavam que abasteciam o universo de magia, e assim garantiam a continuidade da vida.

Os sacrifícios humanos se intensificaram na cultura maia no período denominado pós-clássico (depois do ano 900), quando recebeu forte influência dos toltecas. As práticas mais comuns eram extrair o coração da vítima, executá-la com flechadas ou mesmo afogá-la em um canal ou rio.

 

A VIDA APÓS A MORTE

Os funerais eram muito importantes para preparar os indivíduos para a última grande passagem da vida. Crentes na imortalidade da alma, os maias cuidavam para que a viagem do morto até seu destino final - que variava de acordo com sua conduta em vida - fosse bem-sucedida. Segundo a tradição religiosa, durante essa última viagem o morto precisava ser alimentado e tinha de levar consigo os objetos que usara em vida. Por isso, as sepulturas de grandes senhores eram abastecidas com jóias, uma máscara que servia de identificação e um punhado de jade na boca para preservar o espírito. Os luxos incluíam ainda a presença, nos túmulos, de acompanhantes: escravos e mulheres eram sacrificados durante os ritos funerários.

Palavras e Significados:
Referências e Notas:
Mais de Civilização Maia | Religião
Mais TEXTOS
Civilização Maia | Religião
Mitos maias de criação
Os mitos de origem maia, como na maioria dos relatos cosmogónicos da Mesoamerica, estavam relacionados principalmente com sacrifícios, fertilidade e com o estabelecimento de um decreto sagrado para um sistema de hierarquia social dominada pela elite governante. Nosso conhecimento sobre esses eventos memoráveis provem mais de indícios escritos de culturas muito posteriores a maia, do que dos próprios maias clássicos. Esses relatos foram filtrados durante o período colonial espanhol que produzia documentos híbridos - parte maia, parte espanhola. Uma leitura atenta a esses relatos permitiu que alguns desses eventos escritos
Civilização Maia | Religião
Sacrifícios humanos maias
O povo maia acreditava que a função do ser humano na terra era venerar os deuses. Sem o homem para realizar os rituais adequados, os deuses morreriam, o que acarretaria o desaparecimento do universo. Por conta disso, na vida cotidiana eles se dedicavam à realização das mais diferentes cerimônias, nas quais, para alimentar e apaziguar os deuses, eram comuns as oferendas, como flores, frutas e alimentos, que chegavam a ser preparados. Mas o ritual mais importante eram os sacrifícios de animais e de seres humanos. Os deuses, pensavam os maias, precisavam de sangue - a energia vital e sagrada. Todas as cidades possuíam um centro cerimonial onde eram realizados os rituais de adoração aos deuses. Grandes cerimônias públicas, realizadas em todo o império, estavam relacionadas com o calendário - eram festejadas datas como o Ano Novo, por exemplo - e incluíam os rituais de fertilidade, iniciativos, de adivinhação e curandeirismo, além dos referentes aos ciclos da vida: gravidez, nascimento, infância, puberdade, casamento e morte. Nos rituais de sacrifício, as vítimas eram escravos, inimigos capturados ou mulheres virgens.
Civilização Maia | Religião
A religião Maia
No território que é hoje a Guatemala, Honduras e a Península de Yucatan, do México, desenvolveu-se a civilização maia que atingiu o seu auge entre 250 e 900 d.e.c. Era uma sociedade muito organizada e sofisticada, como está patente em Palenque e Chichén Itzá na Península Yucatan e em Tikal na Guatemala. A maior parte do que sabemos a respeito da vida espiritual do povo maia provém de alguns livros, a que chamamos códigos, que não foram destruídos pelos conquistadores espanhóis, e do Popol Vuh, o principal texto sagrado dos Maias. Eles acreditavam em forças invisíveis que estavam presentes em toda a natureza, no equilíbrio entre as trevas e a luz e no ciclo eterno da morte e regeneração.
Civilização Maia | Outros tópicos
TODOS TEXTOS
Civilização Maia | Artes
Cultura maia primitiva
A era mais primitiva da civilização maia é conhecida como pré-clássica e data de 2000 a.e.c. a 250 d.e.c. Um de seus exemplos mais primitivos de vida estabelecida em vilarejos na tradição maia vem do sítio de Cuello em Belize, cuja fase Swasey data de 1200-900 a.e.c. Diversas características culturais maias típicas estavam neste lugar no final do período: casas agrupadas ao redor de um pátio central; mortos enterrados embaixo aos pisos das casas; milho como alimento principal; a característica cerâmica vermelha, geralmente na forma de pratos e tigelas. Deste ponto em diante, outras características que marcaram a civilização maia posterior começam a aparecer, como a obsidiana e o jade - ambos trazidos ao local por comerciantes.
Civilização Maia | Ciências
Os códices maias
Quatro sistemas de escrita foram desenvolvidos na Meso-América: zapoteca, mixteca, maia e asteca. Delas, a maia era a mais elaborada. O sistema não foi obra pura deste povo, mas influenciado por uma civilização anterior, a dos olmecas, que existiu na região do México entre 1500 e 400 a.e.c. A escrita maia era aparentemente não alfabética, composta por cerca de 1 mil glifos (caracteres), que ora representam sons, ora símbolos. Ou seja, já apresentava elementos de uma linguagem fonética. Até pouco, tempo, apenas 180 destes sinais haviam sido identificados - hoje, com a ajuda do computador, já foram decifrados cerca de 500.
Civilização Maia | Ciências
Astronomia e matematica maia
Os cálculos astronômicos de notável exatidão eram possíveis porque, além de bons observadores, os maias eram ótimos matemáticos. Muitos historiadores consideram os maias os primeiros a inventar o conceito de abstração matemática, que equivale ao zero. Os registros mais antigos de um símbolo hindu para zero remontam ao século IV, mas não é possível precisar o seu uso. Na cultura maia, ao contrário, o uso de um símbolo para zero era sistemático, para indicar a ausência de quaisquer unidades das várias ordens do sistema de base vinte. O número era representado como uma pequena noz estriada.
Civilização Maia | Ciências
A contagem do tempo maia
Ao olhar uma folhinha pendurada na parede ou anotar um compromisso na agenda, ninguém pensa em como foi difícil para as primeiras civilizações montar seus calendários. Controlar o tempo em um único dia é relativamente fácil, já que ele começa com o nascer e termina com o pôr-do-sol. A tarefa é muito mais complicada a longo prazo. Há atividades, como os plantios e festividades religiosas, que demandam o controle da passagem do tempo em períodos mais extensos. Os astrônomos maias, por exemplo, desenvolveram dois calendários principais, que usavam sobrepostos.
Civilização Maia | Ciências
Invenções maias
Ao longo de sua história, os maias desenvolveram uma cultura riquíssima. Quando se estuda essa fascinante trajetória, é inegável a admiração ao constatar o nível de desenvolvimento científico alcançado por sua civilização. A elaboração de um calendário, o desenvolvimento de um complexo sistema matemático e de uma escrita e a arquitetura peculiar são legados de inestimável valor que estimulam a conhecer melhor a história da América antes da chegada dos conquistadores europeus. Além desses avanços, os maias ainda são responsáveis por outras inovações que se espalharam pelo mundo e chegaram até os dias atuais. Em suas pinturas, os artistas produziam uma tinta azul com tonalidade única, muito utilizada principalmente no período clássico. A cor, que acabou conhecida como azul maia, era diferente da tonalidade conseguida por pintores do velho continente. Enquanto os europeus utilizavam suas tintas corantes à base de lápis-lazúli ou cobre, o inventivo povo americano utilizava o anil, extraído de uma planta chamada índigo, natural da região e de outras zonas de clima quente.
Civilização Maia | Família
A família maia
Os homens maias comuns eram os responsáveis pela agricultura, atividade praticada por todos os integrantes da família. O dia de uma típica família maia começava por volta das 4 horas da manhã, quando seus integrantes se dirigiam ao campo para o trabalho. As primeiras obrigações eram cortar árvores e construir cercas com os troncos - para evitar que veados e antas comessem as mudas - e revolver e arar o solo com varas endurecidas no fogo. Os mais jovens cuidavam da tarefa. A etapa seguinte era semear os campos com o milho. Quando as plantações do cereal já haviam crescido até a altura dos joelhos, os agricultores plantavam feijões perto das mudas, para enriquecer o solo.
Civilização Maia | Ciências
A medicina maia
A civilização maia alcançou grande desenvolvimento na área da medicina. Eles possuíam profundo conhecimento sobre ervas e também utilizavam medicamentos de origem animal e mineral. Com seus estudos, conseguiram determinar as causas de várias doenças, apontando formas de cura e até mesmo de prevenção. A melhor forma de analisar a ciência médica deste povo é não perder seu contexto religioso. Para os maias, maus comportamentos ocasionavam o desequilíbrio corporal, que consequentemente levava à enfermidade. Crentes de que o equilíbrio dos indivíduos assegurava a manutenção da harmonia de todo o ambiente, eles buscavam a saúde como forma de garantir a própria sobrevivência da sociedade.
Mitologia Maia | Cosmogonia
Popol Vuh, a estória da criação maia
A versão do Popol Vuh que conhecemos foi redigida 30 anos após a conquista espanhola. O seu autor foi provavelmente um religioso maia desejoso de colocar por escrito uma narrativa oral e pictográfica muito antiga. Foi escrita em língua maia, mas em caracteres latinos. O manuscrito foi descoberto pelo padre Francisco Ximenez em inícios do século XVIII, que ele obteve das mãos dos índios Quiché da região de Chichicastenango. A história original pode remontar até 2000 anos a.e.c. A primeira parte conta a gênese do mundo, que se assemelha à da Bíblia. Do nada das origens, os deuses decidiram fazer um mundo povoado de humanos que os adorem. Em primeiro lugar, criam a terra, as montanhas,
Civilização Maia | Sociedade
Estrutura social maia
Os maias dividiam-se em províncias autônomas que eram verdadeiras cidades-estado semelhantes às cidades gregas do período clássico. Nelas, a maior autoridade era o halach vinic, que governava em nome de um deus. Ele concentrava as funções religiosa, militar e política. Seu cargo era hereditário e era ele quem escolhia, entre os membros da nobreza, os funcionários que o ajudariam na administração da cidade. Esses homens de confiança comandavam os soldados, fiscalizavam o pagamento de impostos, chefiavam o conselho local e ainda eram responsáveis pela aplicação das leis. Os comerciantes de grande porte também tinham bastante prestígio social. Os sacerdotes eram muito valorizados na comunidade. Desempenhavam funções de destaque, presidindo os cultos religiosos e fazendo as oferendas - o que incluía os sacrifícios humanos. Eram também responsáveis pela transmissão das tradições e pela direção da vida intelectual do povo, estudando e ensinando matérias importantes, como astronomia. O acúmulo de poder fazia com que fossem muito respeitados - e também temidos.
Civilização Maia | Artes
Os murais maias de Bonampak
Como em outras culturas da Mesoamérica, para os maias a criação artística era uma forma de se assemelhar aos deuses. As obras de arte também tinham uma função disciplinadora: por meio delas, os governantes mostravam aos homens comuns em quem os deuses haviam depositado sua sacralidade. Com esse expediente, que reforçava a grandeza de suas linhagens, eles provavam que tinham o direito de governar os demais e se manter no poder. Assim, os temas principais de pinturas e esculturas são os soberanos, sempre representados ao lado de deuses. As pinturas eram feitas predominantemente em murais e objetos de cerâmica, usando diversas técnicas. Uma das obras-primas da arte maia é o Templo das Pinturas de Bonampak.
Outras civilizações
Brasil
Civilização Árabe
Civilização Assíria
Civilização Asteca
Civilização Babilônica
Civilização Celta
Civilização Chinesa
Civilização Cretense
Civilização Egípcia
Civilização Elamita
Civilização Etrusca
Civilização Fenícia
Civilização Grega
Civilização Hebráica
Civilização Hitita
Civilização Indiana
Civilização Lídia
Civilização Maia
Civilização Meda
Civilização Micênica
Civilização Olmeca
Civilização Persa
Civilização Romana
Civilização Suméria
França
Francos
Império Bizantino
Mesolítico
Neolítico
Normandos
Paleolítico
Portugal
Rússia
Vikings
Ritual de Sacrifício humano

Ritual de sacrifício humano maia.

Ritual de sacrifício humano

Gravura representando ritual de sacrifício humano.

Outros textos
Todos Textos
Civilização Chinesa | Força Militar
A guerra na China antiga
A partir do século VI a.e.c. e durante o período dos Estados Combatentes, os soberanos que lutavam pelo controle do território chinês transformaram a ordem social e econômica de seus principados em função das necessidades bélicas. A nobreza guerreira já não era predominante na composição dos exércitos, cuja força estava principalmente nas imponentes legiões de infantaria. A guerra "cortês" de uma época, praticada pelos filhos das famílias nobres especializados em conduzir bigas velozes, se transformou em uma lembrança distante. As tropas militares que nos séculos VII e VI a.e.c. chegaram a 30 mil unidades se transformaram em exércitos poderosos a serviço de chefes sem escrúpulos que, de acordo com a oportunidade, decidiam que lado apoiar. Eram compostos por centenas de milhares de soldados de infantaria, cavaleiros e bigas. O carro de guerra, introduzido
Civilização Chinesa | Cotidiano
A luxuosidade da nobreza na China antiga
As crônicas e as obras literárias estão repletas de descrições dos privilégios e dos prazeres reservados aos nobres e aos ricos. O luxo e o fausto ostentados pelas cortes reais e imperiais eram lendários no mundo antigo e ainda hoje espantam os arqueólogos que esbarram nos preciosos vestígios do passado. Os muitos achados deste último século confirmaram narrativas que pareciam exageradas e fantásticas, fruto da imaginação que freqüentemente substitui a realidade quando as informações se tornam inacessíveis pela distância social entre os escritores e seus personagens. Grande parte das tumbas dos grandes soberanos e dos imperadores ainda não foi achada. Quando forem abertas suas moradas eternas, serão
Civilização Chinesa | Cotidiano
A música e as diversões na China antiga
Nos antigos textos chineses, a palavra "música" (yue) era escrita com um homógrafo de "gozo, prazer, diversão". "A música é gozo", declarava, com uma espécie de tautologia, Xunzi, um dos mais brilhantes pensadores do século III a.e.c.; é "o movimento do coração", afirmava o autor anônimo do Liji (Memorial dos ritos), texto canônico do pensamento confuciano antigo que contém o capítulo Yueji (Memorial da música). Essa música tinha um papel principal na tradição chinesa, fosse ela a música da natureza amada pelos taoístas, baseada não tanto nos sons criados artificialmente pelos homens, mas nas notas naturais que compõem a própria respiração da Terra e o sopro cósmico que tudo envolve, fosse a música da alma de que falavam os confucianos, uma melodia capaz de modificar o caráter dos homens, ajudando a disciplinar as emoções, a se cultivar, a aumentar a integridade e a força moral, permitindo-lhes ter uma relação de serenidade com seus semelhantes, com a natureza e com todo o universo.
Civilização Chinesa | Cotidiano
A vida cotidiana na China antiga
O estilo de vida dos soberanos e dos aristocratas chineses foi tema de inumeráveis narrativas históricas, obras literárias e pictóricas, ao passo que é muito pouco o que se sabe sobre os costumes das pessoas comuns. A vida na corte e no interior das moradias suntuosas da nobreza era rigidamente determinada por complexos códigos rituais que não apenas estabeleciam normas minuciosas para a realização de cerimônias públicas e privadas, mas também chegavam a determinar o comportamento correto entre os familiares, prescrevendo para cada membro da vasta parentela as atitudes apropriadas em cada circunstância. Tal rigidez e solenidade tinham como principal símbolo o esplendor da decoração.
Civilização Chinesa | Arquitetura
Arquitetura chinesa
São muito poucos os restos preservados das obras arquitetônicas chinesas antigas, sistematicamente construídas com materiais perecíveis. A opção,feita durante muito tempo, de fabricar os elementos estruturais em madeira, reservando aos materiais resistentes ao desgaste do tempo funções meramente de decoração, determinou o desaparecimento de todas as construções do período pré-imperial e a quase totalidade das construções do período imperial até os Tang. Não chegaram até nós sequer os suntuosos palácios reais, descritos em diversas obras literárias que louvaram sua grandiosidade, sua beleza e a suntuosidade de sua decoração. Afora alguns pagodes de pedra ou tijolo, construídos a partir dos séculos
Civilização Chinesa | Religião
Túmulos e enxovais funerários na China antiga
A grande riqueza dos enxovais funerários encontrados na China nas tumbas dos aristocratas ou dos soberanos de todas as épocas seguia o costume de homenagear o defunto com as honras devidas a seu estado e à convicção, arraigada desde tempos remotos, de que a vida não acabava com a morte. Durante os milênios que separam o Neolítico da dinastia Tang, ao longo de muitos séculos marcados por uma constante evolução da civilização, sucederam-se diversas concepções religiosas e filosóficas, determinando mudanças profundas tanto na composição dos enxovais funerários quanto no complexo repertório iconográfico que permitiu aos arqueólogos compreender as crenças relacionadas à vida não terrena das épocas às quais
Civilização Chinesa | Religião
O universo religioso na China antiga
Os jesuítas que nos séculos passados visitaram o Império do Meio com a intenção de difundir o cristianismo transmitiram ao Ocidente a imagem de uma China habitada por povos pouco inclinados ao sentimento religioso e governados por sábios filósofos. Esse testemunho produziu um efeito distorcido, e não permite compreender as peculiaridades e a riqueza do sentimento religioso, forte e autêntico, que impregnou a sociedade chinesa desde os tempos mais remotos. O achado dos primeiros assentamentos humanos na China comprova a presença de objetos e representações intimamente relacionados a crenças relativas às divindades e ao mundo dos espíritos e dos demônios. A existência na época neolítica de um conjunto
Civilização Chinesa | Sociedade
O legado cultural da China antiga
A História da China, desde milênios, não conhece solução de continuidade. Eis um fato importante a ser considerado quando se procura definir o legado da China antiga à Civilização. As velhas tradições, as grandes sínteses doutrinárias filosófico-religiosas que no passado deitaram raízes na alma chinesa, continuaram durante toda a História a influir na mentalidade das gerações que se sucederam no velho país do Extremo Oriente. Tal asserção pode ser ilustrada com o exemplo do Confucionismo que, durante milênios, tem sido o «código ortodoxo de toda a vida moral e espiritual e, apesar dos sistemas concorrentes, continua a ser o princípio diretivo da vida social. Desde a dinastia dos Han, a instrução pública baseia-se inteiramente
Civilização Chinesa | Religião
A religião e a filosofia na China antiga
As ideias religiosas e filosóficas dos chineses despertaram sempre grande curiosidade entre os europeus. Nos tempos modernos foram sobretudo os missionários jesuítas que chamaram a atenção dos intelectuais do Ocidente para a riqueza cultural da China. «Bouvet trouxe a primeira biblioteca chinesa para a corte de Luís XIV, e nos salões parisienses esteve na moda entusiasmar-se por Confúcio cujo racionalismo frio agradava aos homens do Século das Luzes».
Civilização Chinesa | Ciências
As ciências na China antiga
Huang-Fu Mi, no III século de nossa era, versa sobre um dos mais curiosos tratamentos da medicina chinesa: a acupuntura. «Os missionários falam com admiração da arte dos médicos chineses de curar enfermidades que são consideradas entre nós como incuráveis, e como as curam com meios muito simples. Entre suas próprias e antiquíssimas invenções está a acupuntura aplicada em grande número de enfermidades, e muitas vezes com êxito, que maravilha os europeus. Picam o corpo com grandes agulhas de metal e toda a arte do médico consiste em escolher o lugar e conhecer exatamente a direção e profundidade da picada. Os chineses chamam o homem microcosmos, Siaotienty. A saúde consiste, para eles, na harmonia ou equilíbrio entre
Últimas atualizações
Mais atualizaÇÕES
História
  • A guerra na China antiga

    Um código de honra que todos os chefes de valor tentavam respeitar determinava o comportamento que devia ser adotado frente aos próprios adversários, tanto durante a batalha quanto em caso de vitória. Graças a um princípio de clemência freqüentemente aplicado, quando os Zhou conquistaram Yin, a capital Shang, não arrasaram a cidade; em vez disso, confiaram seu g

História
  • A vida cotidiana na China antiga

    O estilo de vida dos soberanos e dos aristocratas chineses foi tema de inumeráveis narrativas históricas, obras literárias e pictóricas, ao passo que é muito pouco o que se sabe sobre os costumes das pessoas comuns. A vida na corte e no interior das moradias suntuosas da nobreza era rigidamente determinada por complexos códigos rituais que não apenas estabelecia

História
  • O universo religioso na China antiga

    Os jesuítas que nos séculos passados visitaram o Império do Meio com a intenção de difundir o cristianismo transmitiram ao Ocidente a imagem de uma China habitada por povos pouco inclinados ao sentimento religioso e governados por sábios filósofos. Esse testemunho produziu um efeito distorcido, e não permite compreender as peculiaridades e a riqueza do sentiment