Psicologia
Mitologia
Geologia
Filosofia
Astronomia
Antropologia
Pré, Proto-História (246mil a.e.c.)
Idade Antiga (4000 a.e.c. - 476 d.e.c.)
Idade Média (476 - 1453 d.e.c.)
Idade Moderna (1453 - 1789 d.e.c.)
Idade Contemporânea (1789 - 1946 d.e.c.)
Era da Informação (1946 - Presente)
Administração
Artes
Ciências
Direito
Economia
Família
Fontes
Geografia
Introdução
Língua
Religião
Sociedade
Localização geográfica da Mesopotâmia

 

LINK CURTO:
http://www.historia.templodeapolo.net/civilizacao_ver.asp?Cod_conteudo=208&value=Localização geográfica da Mesopotâmia&civ=Civilização Suméria&topico=Geografia#topo
Idade Antiga - Antiguidade Oriental - Civilização Suméria - Civilização Acadiana - Civilização Assíria - Civilização Babilônica - Localização geográfica da Mesopotâmia
Este texto não é de propriedade do editor do sítio. < Clique para solicitar referências e autoria >

Na seqüência dos historiadores gregos, considerou-se durante muito tempo a Mesopotâmia, a bacia do Tigre e do Eufrates, como uma unidade geográfica e histórica. Tal concepção, hoje caduca, não resiste à análise dos fatos. A Mesopotâmia divide-se em quatro regiões de características muito diferentes, constituídas por oasis mais ou menos extensos, arados por estepes secas e pedregosas ou por pântanos.

A Norte, estende-se a Alta Mesopotâmia, suficientemente úmida para que a agricultura possa depender das chuvas de Inverno. Compreende a Assíria, rosário de oasis que se desfia ao longo do Tigre e dos seus afluentes a Djeziré, estepe desolada que serve de pastagem após os períodos chuvas.

Vem, em seguida, o vale do Eufrates e a planície aluvial, sujeitos as cheias caprichosas dos rios, as do Eufrates em Abril e as do Tigre em Maio. A Paisagem é, pois, modulada pelas aluviões. É uma terra fértil; a raridade das chuvas toma, no entanto, necessário um sistema de irrigação complexo e altamente aperfeiçoado. Esta irrigação intensiva acabara entretanto por arruinar os solos fazendo que apareçam à superfície os elementos de sais que se encontram a alguma profundidade.

Mais a Sul, a, região dos grandes pântanos é um autêntico mar de caniços rico em caça e em peixe. É o refúgio dos fugitivos e dos proscritos. Julgou-se durante muito tempo que, na Antiguidade, as costas do golfo deviam encontrar-se mais a Norte do que se encontram nos nossos dias e que, conseqüentemente, as grandes cidades sumérias se situavam à beira do mar. Mas os trabalhos dos geólogos ingleses G.M. Lees e N.R Falcon tendem a fazer admitir uma formação muito mais antiga da região baixa. As cidades ter-se-íam então erguido nas margens de uma laguna de água doce.

Por fim, a Sudeste, no prolongamento da planície, estende-se a Susiana, franja do Elam, banhada pelos cursos do Karum e do Kerkha cujos altos vales abrigam as rotas comerciais que conduzem ao planalto iraniano.

As várias partes da Mesopotâmia apenas tem em comum a ausência quase geral de minérios, de pedra e de madeira de construção. É à argila do solo que a Mesopotâmia vai buscar o tijolo, o seu único material de construção juntamente com a cana.

Importante encruzilhada de estradas, a planície não deixa de lembrar uma grande avenida comercial. Para além do golfo Pérsico, o tráfico marítimo estende-se até ao Indo. Na própria planície, as rotas fluviais são acompanhadas pelas rotas das caravanas que chegam ate à Síria do Norte, às regiões de Katna, de Alepo ou de Karkemish. De Iá partem as principais vias de comunicação para a Ásia Menor, Palestina e Egito, e, ao longo das costas do Líbano, para Chipre, Creta e ilhas do mar Egeu. Compreende-se então como o desejo de possuir um porto seguro no golfo Pérsico pode suscitar conflitos. É obvio que a vontade de controlar o conjunto das rotas; comerciais da planície está na origem da formação dos grandes impérios.

Palavras e Significados:
Referências e Notas:

A.L. OPPENHEIM, Ancient Mesopotâmia, Chicago, 1964;

J. B. PRITCHARD, The Ancient Near East in Pictures: Princeton, 1954.

 

Mais de Civilização Suméria | Geografia
Mais TEXTOS
Civilização Suméria | Geografia
Localização geográfica da Mesopotâmia
Mais a Sul, a, região dos grandes pântanos é um autêntico mar de caniços rico em caça e em peixe. É o refúgio dos fugitivos e dos proscritos. Julgou-se durante muito tempo que, na Antiguidade, as costas do golfo deviam encontrar-se mais a Norte do que se encontram nos nossos dias e que, conseqüentemente, as grandes cidades sumérias se situavam à beira do mar. Mas os trabalhos dos geólogos ingleses G.M. Lees e N.R Falcon tendem a fazer admitir uma formação muito mais antiga da região baixa. As
Civilização Suméria | Geografia
Geografia suméria
Civilização Suméria | Outros tópicos
TODOS TEXTOS
Civilização Hebráica | Religião
Deus e o mal, da mesopotâmia à bíblia

No plano utilitário, uma curiosidade como essa é legitimada pela busca de um remédio: se tenho um severo ataque de dor ciática, tomo um comprimido e a dor se atenua, ou desaparece. Mas, de acordo com a gravidade do mal, é no plano religioso que esse "por quê?" se impõe com mais força, insistência ou angústia. A partir do momento em que é possível remeter tudo o que se passa aqui embaixo a uma causa sobrenatural, ao mesmo tempo inteligente e onipotente; a partir do momento em que se pensa ter diante de si, mesmo invisível, um interlocutor responsável ao qual se pode perguntar "por quê?", ainda que ele não responda, que não responda nunca, e deixe ao interrogador a preocupação de encontrar a resposta - eis o verdadeiro "problema do mal", aquele em que penso aqui.

Civilização Babilônica | Cotidiano
Moral e ética na Mesopotâmia
Tinham os mesopotâmios uma moral? Se entendermos por esse termo o conjunto de regras que devem dirigir a atividade livre dos homens, então é claro que tinham uma moral! Ninguém pode viver normalmente sem que sua atividade livre seja orientada para uma certa felicidade, da coletividade ou de cada pessoa. Se bastasse responder sim ou não à pergunta que dá início a este artigo, ela já estaria inteiramente resolvida. Não se falava muito no assunto na Mesopotâmia. A palavra nem sequer existe na língua do país, pois, como tudo o que é mais intrínseco à existência, inclusive à nossa, essas regras de conduta são normalmente implícitas, sem que se sinta a necessidade de remeter a elas ou defini-las. Na Mesopotâmia, os documentos escritos que registram mais visivelmente essas normas são o que chamamos de "Códigos", que supostamente enumeram e detalham "leis".
Civilização Suméria | Família
Amor e sexo na Suméria e Babilônia
Ao lado do Egito, a Mesopotâmia é o mais antigo país a conhecer e a utilizar a escrita, da qual nos deixou, entre 3000 a.e.c. e o início de nossa era, um monumental amontoado de peças: algo como meio milhão de tabuletas, desde os mais minuciosos cálculos de boticários até as criações mais desenfreadas do imaginário. Seria bastante surpreendente se, nessa gigantesca confusão, esquadrinhada há mais de um século pelos assiriólogos, não encontrássemos, entre outros tesouros, material que nos permitisse ter uma ideia da vida sexual e amorosa dos antiquíssimos habitantes do país onde nasceu, na virada do quarto para o terceiro milênio antes de nossa era, a primeira grande civilização verdadeiramente digna desse nome, complexa e refinada em todos os domínios da existência.
Civilização Suméria | Religião
O país sem retorno dos mortos
Em sua imaginação, o mundo parecia uma imensa esfera cortada em duas, no plano diametral, pelo mar, tendo no meio, como uma ilha, nossa terra (cuja parte principal e central era evidentemente seu país, cercado de alguns subúrbios...). Essa terra repousava sobre um enorme lençol de água doce, que emergia por meio de poços e fontes: eles o chamavam Apsu. Acima da terra, o hemisfério visível do globo era chamado de Anu, o "Em-cima", digamos "o Céu". Simétrico a esse "Céu", mas invisível e apenas postulado, em sua maior parte, encontrava-se o hemisfério de "Embaixo" - Ki, diziam eles - o que nós poderíamos chamar de "Inferno", ao menos no sentido etimológico e primeiro da palavra: as regiões inferiores. Para explicar as origens e o funcionamento dessa enorme máquina redonda, eles foram levados a inventar toda uma sociedade de seres sobrenaturais: divindades ao mesmo tempo numerosas (politeísmo) e imaginadas com base no modelo do homem (antropomorfismo), mas em maior escala, com mais inteligência e poder, e sem as fraquezas que nos assaltam: a doença, a decadência da idade e a duração limitada da vida.
Mitologia Grega | Cosmogonia
Mitos de Criação Filosóficos
Reza a lenda que primeiro foi a Escuridão, e da Escuridão surgiu o Caos. Da união entre a Escuridão e o Caos surgiram a Noite, o Dia, Erebo e o Ar. Da união entre a Noite e Erebo surgiram o Destino, a Velhice, a Morte, o Assassinato, a Moderação, o Sono, os Sonhos, a Discórdia, a Miséria, a Aflição, Nemesis, a Alegria, a Amizade, a Misericórdia, as três Parcas e as três Hesperides. Da união entre o Ar e o Dia surgiram a Mãe Terra, o Céu e o Mar. Da união entre o Ar e a Mãe Terra surgiram o Terror, o Ofício, a Raiva, a Luta, as Mentiras, os Juramentos, a Vingança, a lntemperança, a Altercação, o Pacto, o Esquecimento, o Medo, o Orgulho, a Batalha e também Oceano, Metis e outros titãs, o Tártaro e as três Erínias, ou Fúrias. Da união entre a Terra e o Tártaro surgiram os gigantes.
Civilização Suméria | Religião
Sacerdotes e sacerdotisas sumérios
Civilização Suméria | Religião
Dias sagrados e festivais na suméria
Civilização Suméria | Artes
Arte e arquitetura de Ur III
Os gêneros literários são muito variados: coleções de provérbios e de fabulas, hinos aos deuses e aos reis, lamentações sobre as cidades destruídas. Pode supor-se que, se tantos textos são então registrados é porque a tradição religiosa perde forma e vigor. Ao mesmo tempo, o sumério, que sofre a influencia do acadiano, tende a tornar-se a língua de cultura: as longas listas lexicográficas, algumas das quais remontam à época de Uruk ver-se-ão em breve duplicadas com a sua tradução acadiana. O
Civilização Suméria | Economia
Economia de Ur III
Temos apenas uma visão muito incompleta da economia, porquanto as fontes só nos fornecem informações sobre o setor estatizado. Nada sabemos acerca da propriedade privada, cuja existência é, no entanto, difícil negar. Os templos detém um poder considerável, mas não nos chegou nenhum dos seus arquivos; as suas relações com o Estado são mal conhecidos: é um fato que este ultimo se esforça por diminuir as suas riquezas e controlar as suas atividades. O palácio provê em parte as suas necessidades. Assim, para abastecer o templo de Enlil em Nippur, Shulgi cria um grande mercado de gado em Puzrishdagan; lá
Civilização Suméria | Administração
Organização do Imperio de Ur III
As fronteiras do império são difíceis de precisar. É verdade que são flutuantes, sobretudo no Zagros onde a guerra grassa em estado endêmico. No Oeste, a autoridade dos reis de Ur estende-se até Mari. É reconhecida em Biblos. Os xeques das tribos seminômades do deserto são, aos olhos da administração imperial, interlocutores válidos ao mesmo titulo que os ensi, príncipes independentes dos Estados urbanos. O próprio império não parece estender-se para alem de Assur, junta por Shulgi a herança recebida de seu pai, e de Tell Brak, onde se faz menção do nome de Ur-Nammu. Só duas fronteiras podem ser fixadas com certeza: uma passa às portas de Gasur, a futura Nuzi, que esta nas mãos dos Hurritas; a outra encontra-se no limite do Estado de Simashki, centro da oposição elamita após a tomada de Susa por Shulgi.
Outras civilizações
Brasil
Civilização Árabe
Civilização Assíria
Civilização Asteca
Civilização Babilônica
Civilização Celta
Civilização Chinesa
Civilização Cretense
Civilização Egípcia
Civilização Elamita
Civilização Etrusca
Civilização Fenícia
Civilização Grega
Civilização Hebráica
Civilização Hitita
Civilização Indiana
Civilização Lídia
Civilização Maia
Civilização Meda
Civilização Micênica
Civilização Olmeca
Civilização Persa
Civilização Romana
Civilização Suméria
França
Francos
Império Bizantino
Mesolítico
Neolítico
Paleolítico
Portugal
Rússia
Vikings
Outros textos
Todos Textos
Civilização Indiana | Geografia
Índia, o país, o povo e a língua
Os gregos chamaram Indos o Sindhu (rio, em língua nativa), e toda a região situada além desse rio passou a receber a mesma designação. A vasta extensão de terra, que hoje designamos por índia, situa-se entre os paralelos de 8 a 37 graus de latitude norte e possui mais de 4,6 de quilômetros quadrados de superfície, abrangendo
três regiões naturais distintas: A Barreira Montanhosa, a Planície Indo-Gangética e o Planalto peninsular. Na Barreira Montanhosa, ao norte, assinalamos a imponente cordilheira do Himalaia com suas neves eternas. A Planície Indo-Gangética estende-se entre as montanhas do norte e o planalto, desde o mar de Omã até ao golfo de Bengala por cerca de 3.000 quilômetros. As duas principais correntes
Civilização Indiana | Fontes
O estudo da Índia: Fontes
A dificuldade do estudo da História da Índia começa com as fontes. Onde encontraremos os dados indispensáveis à reconstituição científica do passado da Índia? Em primeiro lugar, na tradição literária. Esta é abundantíssima e consiste, por exemplo, nas diferentes partes do Veda (o saber) e em seus suplementos, o Vedanga. Desses textos, os historiadores da Índia podem, provavelmente, extrair, com as devidas precauções, conhecimentos relativos a um período que se estenderia, mais ou menos, desde a metade do segundo milênio até o penúltimo século a.e.c. Falamos em precaução
França | Família
Da família medieval a família moderna
Um texto italiano do fim do século XV dá-nos uma ideia muito sugestiva da família medieval, ao menos na Inglaterra. Ele foi extraído pelo historiador inglês Fumival[1] de uma Relação da Ilha da Inglaterra de um italiano: “A falta de afeição dos ingleses manifesta-se particularmente em sua atitude com relação às suas crianças. Após conservá-las em casa até a idade de sete ou nove anos (em nossos autores antigos, sete anos era a idade em que os meninos deixavam as mulheres para ingressar na escola ou no mundo dos adultos), eles as colocam, tanto os meninos como as meninas, nas casas de outras pessoas, para aí fazerem o serviço pesado, e as crianças aí permanecem por um período de sete a nove anos (portanto, até entre
Civilização Indiana | Introdução
A Índia
A simples menção da Índia, vem-nos a mente todo o fascínio que o Oriente distante e misterioso, com suas raças, línguas, religiões e costumes os mais diversos, exerce sobre a imaginação ocidental. Pretender resumir em poucas páginas a História desse complexo quadro que as civilizações da Índia oferecem ao estudioso é, sem dúvida, tarefa ingrata e difícil, porém necessária. Necessária, porque, mais do que em qualquer outro país, verifica-se na Índia quão verdadeira é aquela apregoada utilidade dos estudos históricos: melhor compreensão do presente através do estudo do passado. Com efeito
França | Família
O nascimento do sentimento de família na Europa medieval
O tema remonta, por conseguinte, a um passado remoto. Ele se manteve e até mesmo se desenvolveu durante a Idade Média. Ressalvando o anacronismo da expressão, poderíamos dizer, grosso modo, mas sem deformar a verdade, que a iconografia “profana” medieval consiste acima de tudo no tema dos ofícios. É importante que durante tanto tempo o ofício tenha parecido às pessoas ser a principal atividade da vida quotidiana, uma atividade cuja lembrança se associava ao culto funerário da época galo-romana e à concepção erudita do mundo da Idade Média, nos calendários das catedrais. Sem dúvida, isso parece perfeitamente natural aos historiadores modernos. Mas terão eles se indagado quantos hoje em dia prefeririam esquecer seu ofício e gostariam de deixar uma outra imagem de si mesmos? Em vão tentamos introduzir algum lirismo nos aspectos funcionais da vida contemporânea; o resultado é uma espécie de academicismo sem raízes populares. O homem de hoje não escolheria seu ofício, mesmo que gostasse dele, para
França | Educação
A vida escolástica e a educação na França e Europa medieval
Este texto é consagrado aos aspectos da história da educação que revelam o progresso do sentimento da infância na mentalidade comum: como a escola e o colégio que, na Idade Média, eram reservados a um pequeno número de clérigos e misturavam as diferentes idades dentro de um espírito de liberdade de costumes, se tornaram no inicio dos tempos modernos um meio de isolar cada vez mais as crianças durante um período de formação tanto moral como intelectual, de adestrá-las, graças a uma disciplina mais autoritária, e, desse modo, separá-las da sociedade dos adultos. Essa evolução do século XV ao XVIII não se deu sem resistências. Os traços comuns da Idade Média persistiram por longo tempo, até mesmo no interior do colégio, e, a fortiori, na camada não escolarizada da população.
França | Família
História social das brincadeiras e jogos na França e na Europa a partir do séc. XIII
Graças ao diário do médico Heroard, podemos imaginar como era a vida de uma criança no inicio do século XVII, como eram suas brincadeiras, e a que etapas de seu desenvolvimento físico e mental cada uma delas correspondia. Embora essa criança fosse um Delfim da França, o futuro Luis XIII, seu caso permanece típico, pois na corte de Henrique IV as crianças reais, legitimas ou bastardas, recebiam o mesmo tratamento que todas as outras crianças nobres, não existindo ainda uma diferença absoluta entre os palácios reais e os castelos fidalgos. A não ser pelo fato de nunca ter ido ao colégio, frequentado já por uma parte da nobreza, o jovem Luis XIII foi educado como seus companheiros. Recebeu aulas de manejo de armas e de equitação do mesmo M. de Pluvinel, que, em sua academia, formava a juventude nobre nas artes da guerra. As ilustrações do manual de equitação de M. de Pluvinel, as belas gravuras de C. de Pos, mostram o jovem Luis XIII exercitando-se a cavalo. Na segunda metade do século XVII, isso já não acontecia mais: o culto monárquico separava mais cedo - na realidade, desde a primeira infância - o pequeno príncipe dos outros mortais, mesmo os de berço nobre.
França | Família
A evolução da vestimenta das crianças na França
A indiferença marcada que existiu até o século XIII - a não ser quando se tratava de Nossa Senhora menina - pelas características próprias da infância não aparece apenas no mundo das imagens: o traje da época comprova o quanto a infância era então pouco particularizada na vida real. Assim que a criança deixava os cueiros, ou seja, a faixa de tecido que era enrolada em torno de seu corpo, ela era vestida como os outros homens e mulheres de sua condição
Civilização Romana | Educação
A educação em Roma
Essa educação doméstica busca a formação da consciência moral. O adulto educado que ela quer criar é o homem capaz de renúncia de si próprio, de devotamento de sua pessoa à comunidade. São as virtudes do campesinato de todos os tempos e lugares, o que dirige a primitiva educação de Roma, que exalta em verso e prosa a austeridade, a vida simples, o amor ao trabalho como supremo bem do homem, e o horror ao luxo e à ociosidade. Ao contrário do que aconteceu cedo em Atenas, em Roma não há de início qualquer tipo de cuidado com a pura formação física e intelectual do cidadão ocioso, ocupado com pensar, governar e guerrear. A educação de uma comunidade dedicada ao trabalho com a terra foi durante séculos uma formação do homem para o trabalho e a vida, para a cidadania da comunidade igualada pelo trabalho.
Civilização Grega | Educação
A educação na Grécia antiga
Todas as grandes sociedades ocidentais que, como Atenas e Roma, emergiram de seus bandos errantes, de suas primeiras tribos de clãs de pastores ou camponeses, aprenderam a lidar com a educação do mesmo modo como qualquer outro grupo humano, em qualquer outro tempo. Tal como entre os índios das Seis Nações, os primeiros assuntos e problemas da educação grega foram os dos ofícios simples dos tempos de paz e de guerra. O que se ensina e aprende entre os primeiros pastores, mesmo quando eles começaram rusticamente a enobrecer, envolve o saber da agricultura e do pastoreio, do artesanato de subsistência cotidiana e da arte. Tudo isso misturado, sem muitos mistérios, com os princípios de honra, de solidariedade e, mais do que tudo, de fidelidade à polis, a cidade grega onde começa e acaba a vida do cidadão livre e educado. Esta educação grega é, portanto, dupla, e carrega dentro dela a oposição que até hoje a nossa educação não resolveu. Ali estão normas de trabalho que, quando reproduzidas como um saber que se ensina para que se faça, os gregos acabaram chamando de tecne e que, nas suas formas mais rústicas e menos enobrecidas, ficam relegadas aos trabalhadores manuais, livres ou escravos. Ali estão normas de vida que, quando reproduzidas como um saber que se ensina para que se viva e seja um tipo de homem livre e, se possível, nobre, os gregos acabaram chamando de teoria. Este saber que busca no homem livre o seu mais pleno desenvolvimento e uma plena participação na vida da polis é o próprio ideal da cultura grega e é o que ali se tinha em mente quando se pensava na educação.
Últimas atualizações
Mais atualizaÇÕES
História
  • Índia, o país, o povo e a língua

    Os gregos chamaram Indos o Sindhu (rio, em língua nativa), e toda a região situada além desse rio passou a receber a mesma designação. A vasta extensão de terra, que hoje designamos por índia, situa-se entre os paralelos de 8 a 37 graus de latitude norte e possui mais de 4,6 de quilômetros quadrados de superfície, abrangendo
três regiões naturais distintas: A Ba

História
  • Da família medieval a família moderna

    Um texto italiano do fim do século XV dá-nos uma ideia muito sugestiva da família medieval, ao menos na Inglaterra. Ele foi extraído pelo historiador inglês Fumival[1] de uma Relação da Ilha da Inglaterra de um italiano: “A falta de afeição dos ingleses manifesta-se particularmente em sua atitude com relação às suas crianças. Após conservá-las em casa até a idad

Psicologia
  • A ignorância é uma desgraça para nós, e uma vergonha para o mundo

    A tragédia de um povo sem instrução